Pular para o conteúdo principal

Descendência

Considerando Batman e seu universo ficcional algo crível, o mais correto seria realmente ele ter parceiros. Não exatamente meninos em uniformes rosas, verde e amarelo, mas sim meninos e em alguns casos meninas!

Batman um dia vai morrer e deverá ser substituído por um soldado seu, com treinamento qualificado e os acessos necessários para substituí-lo.

Seja por burrice minha ou conformismo pequeno burguês diante do que se lê, só percebi isto ao ler KURT BUSIEK'S Astro City volume 2. Mas ao ver que todas as pessoas viram a cara para o homem-morcego de Gotham City ter um garoto como soldado eu percebo que nem todas imaginam a real utilidade do menino-prodígio e de todos os ajudantes de Batman.

Infelizmente a DC Comics confunde seus leitores. Batman é sozinho e não quer ajuda para patrulhar Gotham City!

Ridículo!

Se existisse realmente, Batman teria que reforçar o mito em torno de si. Aparições repentinas, demonstrações de poderes sobrenaturais, estar em vários lugares ao mesmo tempo, tudo milimetricamente calculado para gerar mais temor nos criminosos.

Quando penso em Batman visualmente lembro da rápida passagem dele em Orquídea Negra (Gaiman & McKean): um ser em sombras, impossível de ser visto, de ser medido, de ser definido.

Não vou discutir a moralidade de se levar um garoto para combater criminosos, vou sugerir que os leitores deveriam ver a relação Batman & Robin como um vigilante treinando impiedosamente um garoto para substituí-lo. Se, durante o treinamento o garoto perder parte da infância e adolescência paciência. Pelo menos Batman terá garantido a próxima geração.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…