Pular para o conteúdo principal

Algumas explicações

Rapina & Columba – A melhor tradução de personagens que já encontrei nas terras tupininquins, já que no original é Hawk & Dove (Gavião & Pombo, numa tradução grosseira) são Lordes da Ordem e Caos que usam corpos de humanos para se manifestar (avatares?).

Durante o evento Crise nas Infinitas Terras, Columba, então irmão de Rapina faleceu. Alguns meses depois uma minissérie apresentou ao mundo Rob Liefeld (15 anos!) e Columba II.

Liefeld afastou-se do título e Barbara Kesel começou a narrar sua história. Graças à experiência de Barbara em títulos de fantasia licenciados da TSR – empresa de RPG's de espada & magia – a escritora construiu uma complexa trama de romance de oposto em um mundo de fantasia.

A série foi cancelada e Rapina se tornou o vilão da série Armageddon 2001 (1991), matando Columba no processo. Tornou-se o Monarca e enfrentou o Capitão Átomo – este é que seria o verdadeiro Monarca. Manipulou as Tropas Titãs e durante o evento Zero Hora tornou-se o Extemporâneo, matando três membros da Sociedade da Justiça.

Monarca – Vilão da série Armageddon 2001. Herói que traiu a confiança dos companheiros e matou a todos, construindo uma ditadura a partir do ano de 2.001. Parte da emoção era descobrir quem seria o vilão, pois poderia ser qualquer herói da DC Comics. Infelizmente vazou a informação que seria o Capitão Átomo e a DC decidiu alterar na última hora para Rapina, que tinha tido uma série cancelada há pouco.

O remendo ficou ruim.

Em contra-partida alguns leitores observaram as tramas do Capitão Átomo e sugerem que Dan Jurgens e outros roteiristas nunca abandonaram completamente a idéia original, plantando sementes: a) que o Capitão esteja endurecendo durante vários períodos e b) que o Monarca que veio do futuro e enlouqueceu o Rapina seja realmente o Capitão Átomo.

Este tipo de idéia ainda não tem confirmação definitiva e tudo talvez termine em apenas mais um futuro alternativo ou sequer seja citado formalmente, sendo apenas a imaginação conspiratória dos leitores agindo.

Lyta Trevor Hall – Filha da Mulher-Maravilha da Terra 2 quando existia o Multiverso, participou da Corporação Infinito como Fúria. Namorou Hector Hall (Escaravelho de Prata) e casou-se com ele após a morte do rapaz, que se tornou Sandman.

Na “Nova Terra”, pós-Crise, era apenas a filha de uma desconhecida heróina da Segunda Guerra chamada Fúria.

No arco “Casa de Bonecas” da série Sandman de Neil Gaiman (Sandman volume 2) abandonou o Sonhar. Meses depois teve o filho que Morpheus denominou Daniel. Anos depois perdeu o filho, enlouqueceu e assumiu a “persona” do equivalente nas lendas da Fúria e matou o Lorde Sonho. Daniel ascendeu ao Sonhar e Lyta recebeu uma série escrita por Mike Carey e com arte de Scott Hampton para o selo Vertigo, publicada por aqui na Pixel Fábulas.

Conforme veremos nos review da SJA com a ressurreição de Hector Hall (agora como Sr. Destino) Lyta estava próxima de voltar.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…