Pular para o conteúdo principal

Vampiros na Marvel

Conforme apontado no essencial A Era de Bronze do nosso amigo virtual Roberto Guedes (aqui), Drácula foi o vilão que teve a maior série em quadrinhos publicada pela grandes editoras em quadrinhos.

Era um excelente título escrito por Marv Wolfman (Crise nas Infinitas Terras) e com arte de Gene Colan (Demolidor, Capitão América). Anos depois a mesma dupla tentou reeditar o sucesso na DC Comics com a série Night Force, que unia a mesma dupla.

Drácula saiu de moda há muito tempo. Mas, assim como quadrinhos com versões femininas de personagens e quadrinhos com personagens negros, voltou à moda.

Uma pausa: Luke Cage de hoje é realmente um personagem e não um estereotipo.

O ciclo do retorno dos vampiros não começou nos quadrinhos realmente. A série em livros Eclipse vende milhões e tem uma série cinematográfica de igual sucesso, que atinge os leitores dos livros e os adolescentes que consomem a fantasia cinematográfica atual (Harry Porter, Senhor dos Anéis, Crônicas de Nárnia).

Na TV temos a boa True Blood (HBO) e a Vampiries Diaries (Warner Channell), além da boa, mas cancelada, Moonlight e eventuais episódios em Supernatural.

Correndo por fora há a contratação de roteiristas e atores para uma nova versão de Fright Night, comédia de terror de 1.985 sobre um adolescente que acredita que seu vizinho é um vampiro. Assim como os zumbis voltaram, logo teremos uma avalanche de filmes de cinema com vampiros.

Diante de um quadro tão promissor, a Marvel decidiu reestruturar seu universo de sugadores de sangue. A reestruturação inicia em “The Death of Dracula” e vai colocar os personagens em rota de colisão com os mutantes da editora.

Reestruturações anteriores tentaram colocar os vampiros como bons vilões em um sub-universo da editora – ou selo, se preferir – o “Midnight Sons” - título escolhido pela semelhanças em inglês entre as pronúncias das palavras “filhos (sons) da meia-noite” e “sóis (suns) da meia-noite”.

A Marvel deseja, é claro, atrair os leitores da série de livros Eclipse e parece pelas páginas divulgadas que irá fazer tramas que lembrem o contexto da série de RPG Vampiro: A máscara, ou seja, vampiros separados em clãs com características próprias e hábitos distintos, misture a isto o padrão de super-herói com a escolha de uma tribo para se tornar a “tribo boa” versus a “tribo ruim” e poderemos ter alguma ação, violência e muitas cópias de revistas vendidas.

Veremos no que vai dar.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…