Pular para o conteúdo principal

Martian Manhunter volume 2, I

Martian Manhunter volume 1 é uma minissérie de JM DeMatteis & Mark Badger já publicada no Brasil pela Editora Abril.

Já o volume 2 com direito a número “0” (zero) e 1,000,000 (um milhão) só teve publicada no Brasil a edição que faz cross-over com o evento DC Um Milhão, recém republicado pela Panini Comics.

Escrita por John Ostrander e desenhada por Tom Mandrake a série inicia explorando a relação de J'Onn J'Onzz, o Caçador de Marte, membro fundador da Liga da Justiça da América, com a equipe e com o Departamento de Operação Especiais – DOE, sob a ótica que o personagem é um alienígena e poderia ter uma agenda própria – por sinal uma temática bastante utilizada na série LJA e LJA: Ano Um.

No primeiro arco introduz diversas identidades de J'Onn pelo mundo e alguns vilões como Antares, Bette Noir – visualmente semelhante à Nocturna, personagem do universo de Batman – e Ma'Alefa'Ak (Maléfico), irmão-gêmeo de J'Onn e vilão do primeiro arco, que tortura Jemm, o filho de Saturno e age metamorfoseado de seu irmão para forçar o confronto entre Liga da Justiça e o Caçador de Marte.

Ostrander cria uma narrativa de um homem sozinho – o último de sua raça – procurando um lugar no mundo. Retorna várias vezes à Praga (doença que infectou os habitantes de seu planeta e destruiu os marcianos verdes criada em laboratório por Maléfico, como vingança), cita os marcianos brancos (etnia mais violenta de marcianos, expulsos do planeta para uma dimensão paralela após uma guerra civil) e dá espaço para as diversas identidades do herói. Em alguns momentos exagera como na edição 8, durante o primeiro arco, quando J'Onn arranca o braço e concentra sua capacidade intelectual e alma nele, deixando uma casca vazia – com o restante do corpo – morrer num incêndio. Na sequência regenera-se completamente a partir do braço.

A julgar pelo primeiro arco não impressiona.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…