Pular para o conteúdo principal

Sua resposta vale um bilhão

Desde quando uma conhecida devolveu-me a minha cópia de “O cemitério” (Stephen King, Círculo do Livro) semi-destruída decidi não pegar livros emprestados. Numa cidade como Nanuque, isto torna-se ainda mais fácil, já que pouquíssimos lêem e ninguém que eu conheça a ponto de trocar figurinhas a respeito de livros.

Assim é estranho que tenho conseguido emprestado “Sua resposta vale um bilhão” de Vikas Swarup (Companhia das Letras, 2006), exatamente quando não tenho tempo para lê-lo, afinal estou desbravando as páginas de “Crime & Castigo”, mas surpreendo-me com uma leitura ágil e que pega o leitor após poucas páginas.

Apesar de ser de estilo diferente, cultura diferente, países diferentes, não deixa de lembrar-me de “O caçador de pipas” por ser uma ficção altamente educativa sobre a cultura de um povo, neste caso a Índia.

No romance de ficção que serviu de base para o filme "Quem quer ser um milionário?", um barman indiano de dezoito anos chamado Ram Mohammad Thomas ganhou um prêmio de perguntas e respostas homônimo ao livro, mas a produção, por não ter os fundos, desconfia da sinceridade do concorrente e ele, após ser preso e libertado por uma advogada desconhecida narra como um jovem que apesar de saber falar inglês (não tão surpreendente assim, visto que a Índia foi colônia da Inglaterra) e que não tem uma cultura formal que lhe permitisse o acesso a estas informações conseguiu o prêmio.

Daí que vem uma questão importante: será que toda a cultura disponível só pode ser aprendida por meios formais ou está a disposição de todos em filmes, sítios de internet, quadrinhos, músicas e acima de tudo na soma das experiências da vida de uma pessoa?

Ram Mohammad Thamas prova que o aprendizado é uma constância em nossa vidas.

No ponto de realidade convertida em ficção deixa claro os bastidores de programas de TV no formato “quiz show” (criado originalmente no início da televisão nos EUA e constantemente revisto com upgrades e releases) e especialmente a complexa cultura da Índia. Numa passagem especialmente triste há um gangster que tem uma indústria de meninos pedintes de rua para se manter e chegar ao ponto de ensinar a arte do canto e depois cegá-los com brasas para obterem a sensibilidade dos transeuntes e receberem melhores esmolas.

Um livro, senão genial, ao menos uma grande diversão para ser lido em uma sentada só.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

O único animal, Luís Fernando Veríssimo

O homem é o único animal...
...que ri
...que chora
...que chora de rir
...que passa por outro e finge que não vê
...que fala mais do que papagaio
...que está sempre no cio
...que passa trote
...que passa calote
...que mata a distância
...que manda matar
...que esfola os outros e vende o pêlo
...que alimenta as crias, mas depois cobra com chantagem sentimental
...que faz o que gosta escondido e o que não gosta em público
...que leva meses aprendendo a andar
...que toma aula de canto
...que desafina
...que paga pra voar
...que pensa que é anfíbio e morre afogado
...que pensa que é bípede e tem problema de coluna
...que não tem rabo colorido, mas manda fazer
...que só muda de cor com produtos químicos ou de vergonha
...que tem que comprar antenas
...que bebe, fuma, usa óculos, fica careca, põe o dedo no nariz e gosta de ópera
...que faz boneco inflável de fêmea
...que não suporta o próprio cheiro
...que se veste
...que veste os outros
...que despe os outros
...que só lambe os outros
...que tem cotas de emigração
...qu…