Pular para o conteúdo principal

Um episódio de Fringe chamado “Pete” sem o Joshua Jackson

Em Fringe [2x16] – Peter, finalmente joga-se a pá de cal sobre a trama em torno de Pete Bishop.

Havia uma sub-trama onde o rapaz havia morrido, mas finalmente são esclarecidas algumas coisas num episódio com abertura especial produzida com os recursos gráficos existentes em 1.985, de modo a deixar claro quando se passa o episódio.

Walter narra à Olívia como tentou curar seu filho buscando recursos na observação de uma dimensão paralela, tecnologicamente mais avançada. Falhou, mas viu uma chance de redenção quando seu outro foi distraído ao encontrar a cura e ignorá-la.

Assim quebrou o espaço entre as dimensões – o quê vitimou o braço de Nina Sharp, colaboradora de William Bell – e abduziu o menino, tencionando curá-lo e devolvê-lo, o que efetivamente não aconteceu.

Nesta dimensão o astro da cine-série “De volta para o futuro” é Eric Stoltz. Possivelmente ele deve ter sido muito cotado para o papel e houve alguma mudança na hora H e a equipe de produção quis brincar com isso.

O episódio introduz também a física Dra. Carla Warren que em 1.985 trabalhava com Walter no Laboratório na Universidade. Os sentimentos de Carla por Walter podem ser usados como um romance ou como alguém que estivesse disposto a dar um basta nas pesquisas e projetos de Bishop.

Enquanto esteve no gap (hiato dentro da própria temporada) Fringe recebeu o aval do canal norte-americano Fox para mais uma temporada, por isso estranho a entrega de um mistério que ainda não estava tão bem consolidado nos espectadores. Não pode se dizer que havia uma grande expectativa sobre este mistério, que poderia ter esperado um amadurecimento para se tornar algo maior.

O episódio defende que Pete Bishop é muito importante, um recurso comum em séries de sci-fi com duplas, afinal as tramas eram tão concentradas em Olívia e Walter, que vez por outra não se entendia a função real do personagem de Joshua Jackson na série.

Explico: com a ativação do departamento “Fringe”, a única pessoa capaz de controlar e manter Walter em foco foi seu filho, Peter Bishop. Walter tem uma espécie de demência, mas na verdade partes de seu cérebro foram extraídas por seu sócio William Bell e implantadas em cérebros de outras pessoas. O temor de Bell era que Walter tornasse a abrir o portal entre as dimensões.

Recentemente as partes foram resgatadas e a informação que continham faz parte do cérebro do vilão da série. Walter continua demente e aparentemente para a manutenção do status de “dr Frankenstein louco” na série continuará assim.

Apesar de vitimar o amigo, Bell não se mostrou tão correto consigo próprio e mudou de dimensão.

Com mais cinco episódios para concluir a temporada o que se pode esperar agora são três ou quatro episódios de histórias tipo “o monstro da semana” e um final de temporada com a trama principal da série (o tal choque entre as dimensões) continuando no próximo ano.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…