Pular para o conteúdo principal

O fim de A noite mais densa

Atenção: Spoilers gritantes a seguir!

Se saber dos acontecimentos estraga seu prazer de ler, por favor não continue.


Uma das maiores características do mercado de quadrinhos americano é a tentativa de ampliar-se, fazendo um evento após o outro, numa seqüência ininterrupta a tentativa de ampliar-se, fazendo um evento apde arcos, sagas, épicos, quase sempre banais ou até menos que isso.

A noite mais densa foi pautado assim: longo, com muitos personagens, terminou trazendo de volta dois reais prejuízos para o universo dos heróis, os vilões Maxwell Lord e o Anti-Monitor.

No plano do entretenimento foi realmente divertido, mas teve um final aquém do esperado. Metade da edição final é para descobrir quem voltou.

Houve surpresas?

Houve sim!

Com a volta de Lord achei que Besouro Azul voltaria. Não voltou agora. Geoff Johns disse que não voltará!

Então para que trouxeram Lord de volta?

A morte dele foi intensa. Para quem não se recorda, Lord dominou o Superman e a Mulher Maravilha quebrou o pescoço dele para impedir mais destruição. Diana só não sabia que estava sendo filmado o ato e que seria televisionado!

Logo era uma amazona sedenta de sangue em escala mundial!

Meses depois foi julgada pelo crime.

Com o retorno do Anti-Monitor logo teremos uma trama que lembrará o conceito geral de Crise nas Infinitas Terras: o ser maligno que corrompe a energia positiva para torná-la negativa e alimentar-se dela.

Esperem e verão.

A volta de Ronnie Raymond com o Joshua, formando o Nuclear foi antecipado no desenho The Brave and The Bold (veja aqui).

Se a produção do desenho teve detalhes do projeto?

Praticamente impossível. Especialmente recordando que o roteiro do desenho é feito com meses de antecedência para haver tempo de produção. O mais certo é que alguém viu e gostou da proposta.


O Rapina & Columba que voltaram parecem ser o Rapina I e a Columba II, da série de Bárbara Kesel – aquela cuja minissérie foi desenhada por Rob Liefeld com quinze anos.

Para quem não lembra Kesel lamentava o final da saga dos personagens.

Ela criou uma história de amor com fundo de fantasia.

A DC tornou Hawk, o Rapina I o vilão da série Armaggedon 2001 com o nome Monarca, depois em Zero Hora ele manipulou a Tropa Titã e mudou o nome para Extemporâneo. Causou dores de cabeças para a Sociedade da Justiça, mas não me recordava que ele havia realmente morrido.

De qualquer modo não está explícito que é o Rapina I & Columba II.

Desafiador, que em inglês é Deadman (homem morto), vivo significa apenas que em breve morrerá novamente. Aguardem.

J’Onn vivo significa que se a Liga da Justiça de James Robinson não pegar, teremos um formato agradável de volta.

Jade voltar é tão lugar comum como morrer. A personagem morreu ao não resistir a uma onda de energia na época da Guerra Rann Thanagar/Crise Infinita. Sempre achei que ela voltaria no decorrer da série Íon, que já estava implícito que a quantidade de energia de Kyle Rayner dividido entre os dois que fez surgir a entidade.

Depois é que vieram com outras explicações para Íon...

De qualquer modo só tem influência na série a Tropa dos Lanternas Verdes e Sociedade da Justiça. Em Sociedade, seu pai, o Lanterna Verde Allan Scott sofria com a perda da filha. Em Tropa Rayner lamentava a morte da garota, mas já estava em outra, namorando uma personagem do casting da série.

Sem relação imediata com nenhuma série o futuro de Jade é incerto, dando espaço para a moça na nova série quinzenal da editora.

Por fim a grande surpresa foi a volta de Shiera Hall, a Moça Gavião original. Sua ausência estava deixando Carter muito violento. Shiera, assim como boa parte da Sociedade da Justiça foi para a dimensão do Ragnarok após a Crise (veja aqui). Ao retornar viveu aventuras com seu esposo que tentavam colocá-los como policiais interplanetários em substituição à Katar.

Inclusive uma desta aventuras, com a tropa Darkstars foi publicada no Brasil em DC 2000 pela Abril.

Anos depois Shiera desapareceu ao ser fundida com um deus gavião. Acreditava-se que Kendra Saunders era sua encarnação. Não era.

Por fim Kendra começou um romance com o Arqueiro Vermelho e deixou Carter de lado.

Quem sabe com os Campeões Alados juntos novamente não temos uma nova série mensal de qualidade?

Por sinal fica implícito que Kendra morreu.

Veremos no que vai dar. Pelo menos o caminho nós sabemos desta vez: é em O dia mais claro, uma série quinzenal da DC Comics, cujo checklist publico abaixo:

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…