Pular para o conteúdo principal

Atualizando o Flash no Ubuntu: uma solução que funcione!

Sempre fui contra o pessoal que tem preferência para formatar o winchester e reinstalar o Sistema Operacional. Entendo, que, é claro, funciona quando não se tem tempo e nenhum compromisso com o cliente.

Mas não deveria ser a prática mais comum, já que cobram tanto.

Porém há problemas como o Adobe Flash, um programa proprietário muito usado atualmente, seja no Orkut, seja no You Tube, seja na área de programação.

Com o Ubuntu 9.04 atualizado em 17 de abril de 2010, eu não consegui fazer uma atualização satisfatória do Flash 9 para o 1o.

Primeiro tentei o download de um pacote TAR que gerou um arquivo .so que deveria ser copiado para a pastar de plugins do Firefox.

Não funcionou.

Depois tentei o download de um pacote DEB que gerou um conflito com um arquivo já instalado. Retirei o arquivo e instalei o pacote, mas para minha surpresa o sítio do YouTube continuava a avisar que a versão estava desatualizada.

Depois de mais de uma hora, copiando, baixando, desinstalando e reinstalando, preferi a mais básica de todas as soluções: desinstalei por completo o Flash e reinstalei de novo.

É chato fazer isto, mas com Internet de alta velocidade demora no máximo quatro minutos e a chance de conflito é mínima.

Então caso precise feche o Mozilla Firefox e vá em Aplicativos > Acessórios > Terminal e clique.

Você irá parar no Terminal onde os comandos terão que ser digitados. Para continuar você necessitará na senha de administrador do sistema.

Digite então:

1) sudo apt-get remove flashplugin-* --purge


2) sudo apt-get remove --purge swfdec-mozilla swfdec-gnome mozilla-plugin-gnash gnash


3) sudo apt-get install flashplugin-nonfree

Observe que ele irá pedir a senha e irá questionar a confirmação de alguns passos contigo.

E pronto!

Tudo foi rápido, simples e indolor.

Poderia ser melhor se a Adobe criasse apenas um arquivo de atualização e postasse no repositório do Ubuntu/Linux.

De qualquer modo desta maneira funciona!

Até mais!

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…