Pular para o conteúdo principal

Robin II, mini-série

Robin II # 01 (1992)/Robin II # 01, Mini-série em 2 edições, Editora Abril Jovem (julho/1992) – Coringa arma um plano onde receberá a visita de sua mãe e consegue fugir do Asilo Arkham. Tim Drake, o novo Robin, está temporariamente sozinho em Gotham City, e começa a sentir o trauma das obrigações como menino-prodígio, que o afastam dos amigos. Ao investigar a cela do palhaço do crime, Robin vê que Coringa teve grande interesse em informática, então decide fazer vigília na casa de Osgood Pellinger, um gênio da informática. Usando um truque muito semelhante a um que o Árcade da Marvel Comics utilizava, Coringa seqüestra Osgood.

Robin II # 02 (1992)/Robin II # 01, Mini-série em 2 edições, Editora Abril Jovem (julho/1992) – Coringa droga Osgood para usar em suas práticas criminosas. Tim e Alfred trabalham para espalhar o boato que Batman está na cidade. Isto certamente vai contra os princípios do atual homem-morcego que é atacar e seguir em frente sem sequer ser visto, mas na época Dixon achou interessante narrar esta tentativa de espalhar para o submundo que Batman estava presente. Em um momento Robin fala que faltam dois anos para tirar a carteira de motorista. Deveria então ter catorze anos, correto?
Robin chega a perseguir o Coringa, mas ele escapa. Nisto, o palhaço percebe que talvez o menino prodígio esteja sozinho.

Robin II # 03 (1992)/Robin II # 02, Mini-série em 2 edições, Editora Abril Jovem (agosto/1992) – Coringa manda uma fita com exigências para o prefeito (cujo nome só vemos em uma caixa “Hezzoner”, e todos se referem a ele como “Sr. Prefeito”, durante a série). Um bilhão de dólares e a entrega deverá ser feita por Batman!
Ao mesmo tempo as confusões feitas pela excessivo uso da informática no dia-a-dia, sendo ela agora, manipulada por Osgood a mando do criminoso, e Tim tentado invadir o sistema a partir da batcaverna.

Numa análise mais ampla, fica claro que até este momento Barbara Gordon não agia como Oráculo ou não acompanhava o que acontecia na cidade. Ao investigar a casa de Pellinger, Robin encontra uma foto dele com um filhote de cão, acreditando ser possível quebrar o controle das drogas do Coringa.

Robin II # 04 (1992)/Robin II # 02, Mini-série em 2 edições, Editora Abril Jovem (agosto/1992) – Depois de conversar com seu pai ainda em coma no hospital, Robin arma o plano em que enquanto faz a entrega do bilhão falso (Gotham é falida) com um boneco inflável do Batman (que o Coringa descobre depois que explode o caminhão, antes mesmo de descobrir que o dinheiro é falso), Alfred usará um programa para invadir o sistema criado por Osgood e tentar paralisa-lo com a imagem de sua cadela de infância.
Num confronto direto com o Coringa, Robin consegue prendê-lo.

Ao final da série Batman chega em Gotham City.

A – Chuck Dixon D – Tom Lyle F – Bob Smith

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…