Pular para o conteúdo principal

Os 10 mais da década - Parte 4

Vamos em frente com a listagem das preferidas

4) Os Supremos de Mark Millar e Brian Hitch – No furor do reínicio da cronologia da Marvel Comics no selo Marvel Ultimate tivemos uma série de reestruturações inteligentes com o Ultimate Spider Man de Brian Bendis e Ultimate X-Men do próprio Millar, mas nenhuma chega à excelência de Supremos que redefiniu os Vingadores, um grupo tradicional da editora como uma força militar dos EUA da Era G. W. Bush.

A série é um acerto só!

Tudo é bem pensado, bem feito, bem desenvolvido. A narrativa é lenta quando tem que ser e rápida quando o texto exige.

Mark Millar pega o melhor dos 40 anos de Vingadores e transforma em algo inteligente, crível. No contexto atual a equipe é simplesmente uma força militar dos EUA, o quê bate com todo o terror pós 11 de setembro que assolou o mundo.

Será que o uso da força se justificaria?

Millar tem idéias claras sobre o que deseja. Interessante que até coisas lógicas como a Ilha dos Vingadores, mas mal utilizadas, funcionam melhor com o autor (pausa: eu não acredito que uma equipe como os Vingadores pudessem viver pacificamente no centro de Nova Iorque). Até de Rob Liefeld Mark Millar roubou a única idéia inteligente que o garoto-problema teve: a equipe como uma divisão da SHIELD.

A série é dividida em dois volumes já publicados no Brasil pela Panini Comics em Marvel Millenium: Homem-Aranha e encadernados, tem vários momentos e intensidades.

No primeiro volume a formação da equipe, a inatividade de uma equipe desde porte, o surgimento de um Hulk selvagem que massacra o centro de Nova Iorque, o confronto deste Hulk com a equipe e a invasão de uma raça alienígena, versão “Ultimate” dos skrull. Não se desanime com as bobagens da mega-maxi-hiper-multi saga de verão da Marvel “Invasão Secreta”, o uso dos skrull em The Ultimates é perfeito inclusive quando o Hulk come – isto mesmo! Come! – um membro da raça!

No segundo volume o descrédito. Descobre-se que o Hulk era membro da equipe, que o Capitão talvez seja um agente infiltrado e que Thor é louco! Sub-plots mostram que Thor, que acredita ser filho de um deus, tem seguidores e prega a paz, está próximo de completar 33 anos, e talvez seja uma boa idéia morrer!

Os EUA são invadidos por uma outra força militar, algo como uma versão do mal dos Ultimates, e descobrimos que Loki está manipulando tudo e todos e que Thor não é louco não!

E nisto tudo, Tony Stark bebe, bebe, bebe e nos intervalos bebe, nem nunca ser retratado como um alcoólatra indesejável.

Belissimamente desenhada, o quê provocou vários atrasos e inclusive gerou um anual importante desenhado por Steve Dillon (Preacher) é a história definitiva de uma força militar no mundo atual. Se existe uma equipe de heróis num universo com super-seres seria assim!

Apesar do excelente conteúdo dos dois primeiros volumes, não aconselho a ler o material escrito por Jeph Loeb para os dois volumes seguintes.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…