Pular para o conteúdo principal

Os 10 mais da década - Parte 3

Continuando a minha listagem das 10 mais da década

3) Demolidor de Brian Michael Bendis, Alex Maleev & vários – Demolidor é Matthew Murdock!

Com base nesta idéia simples, Bendis mantêm quatro anos de produção de uma série em quadrinhos cheia de experimentações narrativas, como por exemplo, o primeiro arco que não tem narrativa linear.

A grande sacada é o conflito de Murdock, que não admite que é o herói e processa o jornal que divulgou a notícia, mas tem sua vida exposta e esmiuçada – diferente então dos acontecimentos da primeira vez que exploraram esta linha narrativa.

Bendis cria uma narrativa que sempre põe o Demolidor em xeque e utiliza bem senões que ele havia introduzido na série “Alias” como closes, balões de textos longos, repetições de imagens. Algumas edições são paradas, outras têm uma tensão digna de tribunal – sendo que várias passam em um – e para surpresa de todos o escritor usa e abusa inteligentemente de coadjuvantes. Elektra, Mercenário, Foggy Nelson, Ben Urich somados ao Homem Aranha, Tigre Branco e outros tornam o caldo interessante e adequado.

Nos EUA acabou de receber a primeira (de duas) edições “Omnibus” com todo o material. Foi publicada integralmente no Brasil nas séries “Demolidor & Hulk” e “Demolidor, o homem sem medo” ambas da Panini Comics, e merecem uma série de encadernados que valorizem a obra.

Demolidor é o meu personagem preferido da década. Desde que foi relançado pelo selo Marvel Knights em 1.998 as histórias funcionam bem. Kevin Smith, Bendis e atualmente Ed Brubaker só acertam, ainda que existam realmente arcos menores e alguns escritores substitutos lamentáveis. Porém ao fazer a contabilidade geral, a série continua no lucro, e alguns especiais são muito bons – como o publicado em Demolidor Anual #01 da Panini Comics, uma história excepcional.

Pela primeira vez na indústria houve uma transição inteligente entre autores. Bendis passou a bola para Brubaker e perguntou como gostaria que o personagem estivesse, o novo autor respondeu, assumiu a série e tem uma narrativa tão genial e em alguns momentos superior ao período de Bendis.

Vale a pena ler e reler.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…