Pular para o conteúdo principal

Os 10 mais da década - Parte 2

Vamos voltar à listagem das melhores histórias produzidas na primeira década do século XXI que eu li.

2) The Walking Dead de Robert Kirkman & vários – Robert Kirkman se aproveitou da última grande mitologia do século XX e criou uma das melhores histórias em quadrinhos de todos os tempos.

Claro que estou falando de George Romero e sua série iniciada em The Night of the Living Dead. Uma curiosidade. Romero esqueceu de registrar os direitos do filme e por isso há várias versões dele e seu produtor se separou após o lançamento do filme. Dividiram a série: o produtor continuaria com filmes usando a expressão “Living Dead” (mortos vivos), enquanto Romero criaria filmes apenas com a expressão “Dead” (Dawn of the Dead, Day of the Dead, Land of the Dead, etc.)

A série em quadrinhos é um verdadeiro road comic apocalíptico onde a razão do que está acontecendo é menos importante que a sobrevivência do ser humano. Isso mesmo! Das atuais 68 edições que li poucas páginas são gastas numa justificativa para o quê está acontecendo. O quê a série explora não é uma pseudo-ciência, mas sim como o ser humano médio agiria diante de tal situação.

Bem, o mundo foi infestado por uma praga zumbi e alguns sobreviventes tentam continuar vivos, encontrando abrigo e alimento, tentam contato com outras comunidades de sobreviventes e mais recentemente (após a 50ª edição) ir à Washington, onde supostamente haveria um controle maior do Governo Federal. Ao contrário dos filmes, a praga atinge todos os mortos, não importa qual foi a razão da morte, e não somente os infectados por contato.

Extremamente barra-pesada, a série não mostra soluções fáceis. Há pessoas comendo pessoas, há violência, estupros, cidades onde o dirigente captura forasteiros para um jogo mortal apenas para ter diversão para seus companheiros já que não há televisão. Lembre-se que não há telefone, não há água potável, eletricidade e nem internet. As telecomunicações já caíram e ninguém sabe realmente a quanta anda a situação no governo federal e sequer em outros países!

Último grande acerto da Image Comics, uma editora que perdeu bastante espaço, a série em preto e branco é sucesso em periódicos e em encadernados. É simplesmente o quadrinho que mais vende da editora, o que fez com que Kirkman fosse convidado formalmente para a sociedade.

Antes de se tornar sócio, Kirkman produziu várias séries para a Marvel e inclusive duas séries Marvel Zumbi e um especial, que exploravam claramente o filão que ele reiniciou nos quadrinhos. Atualmente trabalha em três séries da Image: O Invencível, The Astounishing Wolf Man e Os mortos vivos.

Terminou a década no número 68 sem perder o pique e no Brasil é traduzido pela HqManiacs Editora que já publicou quatro encadernados que cobrem os dois primeiros anos da série. Apesar das boas vendas por aqui a HqManiacs tem sofrido algumas críticas em relação a atrasos. Veja um aqui um artigo que fiz para o primeiro encadernado.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…