Pular para o conteúdo principal

Nossa última e melhor esperança de vitória: Babylon 5! – Parte 7

Os telefilmes

Babylon 5 tem 6 telefilmes. São eles:

Babylon 5: The gathering (1993) – Início da soap opera. O Comandante Jeffrey Sinclair assume a estação semanas depois de sua inauguração e se prepara para receber o Embaixador Kosh do Império Vorlon, que é envenenado assim que chega na Estação e os indícios apontam para o comandante!

Babylon 5: In the beggining (1998) – Feito entre a 4ª e 5ª temporadas, meses antes da estréia da série na TNT é uma boa tentativa de sintetizar a origem da estação, a Guerra Terra-Minbar, e como alguns personagens já estavam envolvidos na trama mesmo antes de saberem. O filme confirma a morte do Imperador Mollari, mostrado na primeira temporada e reprisado numa seqüência mais longa e com detalhes durante o episódio duplo War whithout End da terceira temporada.

Babylon 5: The river of souls (1998) – Primeiro filme após o final da série. Michael Garibaldi, agora responsável pelas Empresas Edgards de Marte, volta à estação cerca de seis meses depois do último episódio para verificar o financiamento de um projeto, autorizado pelo seu antecessor. Porém a trama complica quando uma pesquisa para a vida eterna envolve uma raça que coleta almas no momento da morte. Discreta participação do Dr. Stephen Franklin em um sonho da Comandante Lochley.

Babylon 5: Thirdspace (1998) – Segundo filme posterior à série, mas funciona apenas como um apêndice da quarta temporada, com direito a Sheridan e Isanova no comando da estação, e sem Garibaldi que na época da história estava fora da estação. A estação faz contato com o “thirdspace” – uma nova dimensão – onde vive uma criatura monstruosa, semelhante ao Cthullu de H.P. Lovecraft. Apesar de bom, é muito criticado por não funcionar direito para uma parcela do público que não conseguiu ver uma história de terror na estação Babylon 5.

Babylon 5: A call to arms (1999) – Terceiro filme posterior à série, A call to arms, se passa no dia do quinto aniversário da fundação da Aliança Interestelar. Com direito à Sheridan, Lochley, Garibaldi e o tecnomago Galen, a trama é muito boa. Uma raça bastante presente na quinta temporada, os Drakh, armam um ataque à Terra como vingança contra o banimento das sombras. Gerou a série Crusade.


Babylon 5: Legends of the rangers – To live and die in starlight (2001) – Feito em 2001, mas com exibição retardada por causa do atentado ao World Trade Center, e depois pelas finais de campeonatos, Legends of the rangers mostra G’Kar orientando a primeira missão de uma tripulação de rangers formada por humanos, minbaris e os primeiros drazi e narn nos Rangers. A trama geral mostrava que uma raça conhecida como The Hand (A mão), extremamente poderosa começava um jogo de manipulação. Neste filme é confirmado o destino de Lyta, a telepata da estação que acompanhou G’Kar ao final da quinta temporada.

E Babylon 5: The Lost Tales (2007).

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…