Pular para o conteúdo principal

Reino do Amanha Edição Especial: Magog

Peter J. Tomasi ocupa na DC Comics a mesma função que Chuck Dixon, Chuck Austen, Justin Gray e Brian Reed na indústria de quadrinhos, ou seja, “pau para toda obra”. Estes autores são capazes de escrever sobre tudo e todos, em geral, fazendo histórias superficiais.

É o caso desta edição.

E veja bem a história convence!

No Congo uma unidade da Sociedade da Justiça da América segue o deus Gog e descobre soldados envenenando rios e matando a população civil. Resolvido esta primeira parte, Magog, que foi Cabo dos Fuzileiros, recebe um sinal de rádio de sua antiga equipe militar e decide resgata-los, matando tudo e todos no caminho.

É certamente uma história politicamente incorreta e perigosa. Não cria um país fictício, mostra o quê realmente está acontecendo no Congo e o pouco respeito que as forças da ONU geram neste tipo de criminoso.

Por isso mesmo não é uma história que traz nada de novo, especialmente para quem já leu décadas de histórias de Justiceiro da Marvel Comics.

Dentro do contexto dos arcos “O reino do amanhã” e “Um mundo sob Gog”, é uma edição fundamental por que conta a origem de Magog e dá relevância ao personagem, mostrando também uma visão um pouco diferente do aspecto sempiterno de família das séries Justice Society of America de Geoff Johns.

Com texto de Tomasi, desenhos de Fernando Pasarin e finais de Mick Gray apesar de não trazer nada de novo é uma leitura chocante para os padrãos aceitos.

Em tempo:

Magog foi criado originalmente por Mark Waid & Alex Ross para a série “O reino do amanhã” como uma representação de Cable (da Marvel Comics), precursor dos heróis violentos.

Posteriormente na série “O reino”/Hipertempo surgiu no universo padrão da DC Comics, tornando-se vilão das séries do Superman.

Este novo Magog é o Cabo David Reid, bisneto de Franklin Delano Roosevelt. Recentemente nos EUA ganhou série própria (Magog) e uma divisão da SJA própria também (na série JSA All-Stars).

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…