Pular para o conteúdo principal

Lançamentos da 4ª semana de dezembro

A Panini finalmente lança a segunda edição de Vertigo, seu almanaque com cinco histórias do selo da DC Comics. São elas Neverwhere #2 (set/05) de Mike Carey e Glen Fabry; Hellblazer # 176 (out/02) de Mike Carey, Steve Dillon e Jimmy Palmiotti com a segunda parte de O barato da vida; a segunda edição de Sandman Presents: The Thessaliad (abril/02) de Bill Willingham, Shawn McManus e Andrew Pepoy; Scalped # 02 (abril/07) de Jason Aaron e R.M. Guéra com a segunda (de três) parte de Nação Indígena e Northlanders # 02 (mar/08) de Brian Wood e Davide Gianfelice, com a segunda parte de “O retorno de Sven”.

Edição boa, preço atrativo (cinco histórias por R$ 9,90), mas deixa claro a tentativa da Panini em ser abrangente.

Hellblazer é de sete anos atrás, A Tessalíada idem e Lugar nenhum já tem quatro anos. A editora faz um título que une o melhor atualmente no selo e algo representativo do passado imediato. Eu apostaria em tirar as séries Neverwhere e Tessalíada e substituir definitivamente por Y e Fábulas, evitando os encadernados, permitindo que as tramas sejam absorvidas aos poucos. Já Hellblazer procuraria um ponto mais recente na cronologia e estudaria o material anterior para encadernados.

Claro que são sonhos megalomaníacos de blogueiro fãs de quadrinhos. Mas de qualquer modo as duas séries que quero tirar são minisséries que terminaram logo, logo...

Além da distribuição nacional de Novos Titãs e Lanterna Verde que já havíamos comentado na semana passada (veja aqui), temos ainda Os Poderosos Vingadores com o início de Reinado Sombrio com New Avengers #48 de Brian Michael Bendis, Billy Tan e Matt Banning; Captain America volume 5 #45 de Ed Brubacker, Luke Ross & Butch Guice e Rick Magyar, Mark Pennington e Guice e Thor volume 3 #11 e 12 de J. Michael Straczynski, Olivier Coipel e Mark Morales, Danny Miki e Andy Lanning.

Para concluir temos a Crise Final Edição Especial # 5 (de 6), certamente a pior da série até o momento. Final Crisis: Revelations # 4 e 5 de Greg Rucka, Phillip Tan e Jonathan Glapion e Final Crisis: Secret Files & Origins com a origem de Libra por Len Wein e Tony Shasteen. A edição não vale o investimento. No anúncio da próxima edição a confirmação de Superman ao Infinito, porém sem o efeito 3D – se houver, no entanto, a equipe de produção não faz menção.

Nos EUA tivemos Green Lantern # 49 e Blackest Night # 06. Na série do Lanterna Verde o nosso amigo John Stewart – abobado que só – sabendo que os mortos estão voltando vai ao recém reconstruído planeta Xanshi, que ele foi um dos responsáveis indiretos pela destruição (em Odisséia Cósmica). Uma história de suporte mostra a origem de Nekron, vilão da série.

Na série principal um intervalo com muito falatório e anéis negros voando a torto e a direito. Ganthet cria anéis emergenciais de todas as tropas – afinal usam tecnologia oana – e convoca alguns membros inusitados para usá-los.

Nota-se que este tipo de formato (7 ou 8 partes), sempre gera uma edição próxima ao final cheia de splash pages e sem muito conteúdo, que poderia funcionar perfeitamente ligada a uma outra edição. Apesar disto a arte de Ivan Reis está belíssima, ainda que tenha muitos auxiliares para cumprir o prazo.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…