Pular para o conteúdo principal

Panini lança o seu almanaque Vertigo

Ser leitor de quadrinhos há décadas permite que eu tenha visto título irem e virem facilmente. O nome “Vertigo”, que agora nomina uma coletânea de história do selo homônimo da DC Comics já esteve em uma revista da Editora Abril, da Metal Pesado/Tudo em Quadrinhos, e equivalente próximos na Opera Graphica, Brainstore e Pixel, todos cancelados.

Por aí podemos ver o futuro desta nova coletânea: cancelamento!

Mas o adicional da Panini pode mudar os fatores. Marvel Max, a série brasileira de títulos adultos e descolados da cronologia da Marvel Comics, conseguiu sobreviver à estagnação do próprio selo americano e já aproxima do 80º número por aqui.

Devemos ser objetivos a Panini se esforça!

Em vez de procurar séries antigas que muitos já leram em outros formatos como Livros da Magia, Sandman: Teatro do Mistério, Monstro do Pântano, simplesmente lança uma revista cheia de desconhecidos e algumas caras conhecidas.

No número 1 temos Hellblazer, Sandman Apresenta: A Tessalíada, Lugar Nenhum, Vikings e Escalpo.

Com isto já inova de imediato ao próprio modelo de publicação adotado! A Panini produz sua primeira revista que deverá ter cinco séries mensais e não quatro, mostrando que dá para vender 135 páginas a R$ 9,90. Certamente deve ter algo ao ver com o licenciamento de produtos de nunca consegue vender-se por aqui.

Vamos às séries.

Lugar Nenhum é apresentada pelo simples fato de ser baseado em uma obra de Neil Gaiman, já publicada por aqui pela Conrad. Voltaremos depois à obra.

Hellblazer pula a impopular fase de Brian Azzarello e retorna o mago para a Inglaterra. Constantine descobre que seu período supostamente morto teve conseqüências em sua família.

A Tessalíada continua explorando os defuntos de Neil Gaiman! Tessalía foi introduzida em “Sandman: Um jogo de você” e agora ganha uma série por Bill Willingham (Fábulas) e Shawn McMannus (Um jogo de você, Sr. Destino).

Escalpo, totalmente inédita, é sobre a vida em um reserva indígena norte-americana. Corrupção, violência, FBI e agentes disfarçados. E a última é “Vikings”, também 100% inédita, onde o herdeiro de uma vila viking, descobre que seu tio se apossou de sua herança e decide voltar para reavê-la. Ambas, é claro, como séries mensais, estão começando e não apresentam nem grandes surpresas nem grandes decepções. Por sinal a arte de ambas é bastante adequada.

Voltaremos ao assunto.

De qualquer modo vale o custo benefício.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…