Pular para o conteúdo principal

Arco “Reino do Amanhã” mais próximo do fim em Liga da Justiça #84

Com bela capa de Alex Ross, mas que tem pouca relação com o conteúdo temos uma boa edição de Liga da Justiça.

Dwyane McDuffie não convence com suas tramas envolvendo o deus-aranha Anansi e Vixen e Homem-Animal, que por sinal ainda vai terminar na próxima edição, mas a parte da vingança de Tornado Vermelho contra Professor Ivo salva a história.

Gail Simone escreve um arco intermediário da Mulher Maravilha onde a heroína enfrenta a Rainha Tsaritsa, a rainha má de todos os contos de fadas, que está influenciando uma produção cinematográfica que narra a história de Diana. Apesar de criada num arco de Liga da Justiça, nunca pensei que veria a vilã novamente. Ela, no entanto, resiste. Apareceu numa história do Superman e agora navega nesta fase que parece ressaltar o aspecto das lendas, misticismo, terras distantes e outros na atual série Wonder Woman.

Foi noticiado que Dan Didio tem intenção de recuperar a numeração original da primeira série Wonder Woman, mais o montante da segunda série e da atual terceira na edição que somadas as séries totalizaria 600 números!

Didio disse que o fará se receber, no mínimo, 600 cartões postais pedindo.

Sociedade da Justiça aparece com duas histórias. A primeira, da edição #20 mostra o final do imbróglio da Poderosa que viajou para a Terra-2 disposta a encontrar sua dimensão natal e descobre que há uma Poderosa lá! As equipes de Terra distintas se chocam! Por Geoff Johns & Alex Ross, Dale Eaglesham & Jerry Ordway e Nathan Massengill & Bob Wiacek.

A segunda é da edição “Justice Society of America: Kingdom Come Special – Superman # 1”, com roteiro e arte de Alex Ross e narra a tentativa do Superman da Terra-22 de descobrir a razão de ter vindo para a Nova Terra. Aqui, ao impedir um ataque de terroristas ao Planeta Diário ele perde o controle e tenta buscar informações com a versão do Reverendo Norman McCay daqui, sem sucesso. O restante da edição mostra o herói contando para Lois como o Coringa matou a versão dela na Terra-22 e a promessa que fez de não romper os limites.

Boa história, acrescenta informações relevantes para a história do Superman e deixa claro que ele veio de durante os eventos da série “O reino do amanhã” (logo após a explosão da bomba atômica). Vale a pena ser lida.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…