Pular para o conteúdo principal

Byrne ou Eu era feliz e não sabia

Em 1987 eu estava com 12 anos e lia o material da Marvel e DC publicado no Brasil pela Editora Abril.
Apesar da DC morar no meu coração, o melhor naquela época era a Marvel com suas super-equipes. Os Poderosos Vingadores estavam com Roger Stern & John Buscema, Os Fabulosos X-Men estavam com Chris Claremont & John Romita Jr, e o Quarteto Fantástico, a eterna família vivia sua fase de ouro nas mãos de John Byrne.
John Byrne é conhecido por falar demais. Sua carreira começou séries de segunda com Punho de Ferro e Os Campeões, onde trabalhou com Claremont – sim, eu sei de uma história em The Tomb of Dracula e outra em Space 1999.
Com a saída de Dave Cockrum da série dos mutantes X-Men, ele inicia uma fase que até hoje é referência para os quadrinhos.
Ao mesmo tempo ele trabalhou com o Quarteto Fantástico, numa série curta de aventuras com o argumento do Marv Wolfman, para depois iniciar sua verdadeira odisséia na série. Sua fase no Quarteto termina em 1986 (edições Fantastic Four # 232-293), quando ele vai para a DC reformular o Superman, mas ainda produziria a série Tropa Alfa (Alpha Flight) uma versão canadense dos X-Men, que apesar de insistentemente publicada por aqui, e com vários personagens cativantes jamais passou a pura imitação.
Depois de produzir 22 edições de Superman e Action Comics, e auxiliar Marv Wolfman em algumas edições de The Adventures of Superman, Byrne abandona o personagem e jamais se ligaria novamente a um personagem de grande editora por muito tempo.

Fez Starbrand para o Novo Universo apenas para pregar mais um prego no caixão do selo da Marvel e de seu criador maior o desafeto Jim Shooter.
As várias mortes de Batman, Mulher-Hulk (graphic novel e a série), Homem de Ferro e Namor, foram outras séries que fez ao final dos anos 1.980.
No primeiro biênio da década de 1990, lançou sua série Next Men no selo Legends da Dark Horse (de onde surgiu Sin City de Frank Miller e Hellboy de Mike Mignola). Depois fez Novos Deuses/O Quarto Mundo e Genesis para a DC (1996/97); Homem-Aranha: Gênese (1999), que recontou a origem do herói, alguns números de The Amazing Spider-Man com roteiro de Howard Mackie, fez a série X-Men: Hidden Years, brigou com a Marvel, fez três séries “Gerações” com Batman & Superman, e alguns dizem que duas teria sido a conta perfeita, fez a sua própria série Rat Labs para divina concorrente, fez a Liga da Justiça com Claremont, fez fill-in com Gail Simone (texto) para uma série do Superman e mais recentemente fez All-New Atom e alguns números de Doom Patrol – que havia sido reformulada após participação na história da Liga que ele desenhou.
Importante apenas para os fãs de ontem que o conheceram no auge de sua longa carreira e seus bons momentos que diga-se de passagem não são poucos. Seu Superman é um dos melhores retratos do herói assim como de uma editora que tentava dar limites a um personagem que não deveria ter limites. Seu Quarteto é perfeito, sua Mulher-Hulk engraçada, seu Namor dá sentido ao Príncipe e espaço para a volta dos Invasores (que só aconteceria anos depois), seu Hulk é impressionante! Seus bons momentos são tantos, de tantas qualidades, com tantos ápices que nos surpreendemos com sua produção atual!
Byrne lembra uma série de artistas que surgiram entre os anos 1.970-1.980, excelentes, mas que há anos produzem algo que nem de perto lembra os bons tempos. Entre eles seu companheiro Chris Claremont, o amigo Frank Miller e Jim Starlin, que produziram seu melhor para a Marvel Comics.
Seria a produção de quadrinhos algo tão terrível que suga as energias vitais destes (e de outros) autores?
Seria a interferência dos editores algo tão importante que faziam que produzissem melhor em 70/80 mesmo quando visto pelos olhos que quem experimentou os textos destas e de outras décadas?
Seria a influência de Jim Shooter um fator decisivo para a qualidade do texto de seus autores?
Dúvidas atrozes que tiram meu sono...

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…