Pular para o conteúdo principal

Brainiac

Eu nunca tive medo do vilão Brainiac! Diga-se de passagem: eu o achava ridículo, quase gay! Um alienígena verde, usando um treco com cinco pontas na cabeça, cueca e pernas à vista e uma camisa de manga longa rosa. Mais gay que isso, só com placa “Eu sou gay!”.

Em 1983/84 houve uma história em que ele abandonou o corpo humanóide e adotou um completamente robótico, muito semelhante ao visual dos Terminators (porém antes de James Cameron lançar Exterminador do Futuro). Este visual permaneceu durante a Crise e realmente dá medo, se comparado ao primeiro; mas numa sociedade que já teve tanto contato com robôs e andróides não chegava a ser muito além de ameaçador!
Depois, na onda do oba-oba das reformulações, um mágico de circo chamado Milton Fine começa a ter alucinações que é Brainiac – a série de TV, Smallville aproveitou o nome terráqueo para o alien. Sem muita importância na fase inicial do Superman, o vilão, já com corpo verde e um barbicha loira (vá ser gay assim lá nas hqs!) é responsável por eventos em Superman (o arco Pânico nos Céus) e na série L.E.G.I.Ã.O. (um polícia intergaláctica, onde ele era pai de um dos fundadores). Indo e vindo várias vezes, Brainiac se evoluiu e levou junto Metropolis, transformando-a na cidade do futuro. Depois disso teve a longa trama de infiltração de Índigo nos Renegados, um arco da Superman antes de Crise Infinita (2004) e um arco em Superman/Batman onde ele estava controlando robôs.
Durante estes anos todos a melhor coisa que tinha visto com o personagem tinha sido o episódio piloto de Superman Adventures, onde o vilão é a união de todo o conhecimento científico do planeta e nega a verdade de Jor-El sobre a destruição de Krypton, preferindo fugir de lá. Geof Johns pega isto e transforma e algo mais útil: Brainiac nunca havia vindo realmente à Terra antes, apenas cópias menores, e realmente ele pega uma cidade de cada planeta, destruindo-o em seguida, daí o conceito de cidade engarrafada.

No Superman isto revitaliza o personagem por que a arte de Gary Frank (The Incridible Hulk, Gen13) é bela e coerente, o texto é eficiente, e resolve de quebra duas questões, uma sobre os sobreviventes de Krypton – há agora uma cidade inteira, cujos desdobramentos veremos em Nova Krypton – e outra sobre a atual Supergirl. A prima do herói que navegava entre memórias implantadas, onde se sugeria que ela havia sido enviada para a Terra para matar o primo, finalmente tem sua história reposta em ordem e volta a ser realmente “a prima do Superman”. Suas histórias, por sinal terão mais envolvimento cronológico com as séries do homem de aço a partir de agora.
Com uma trama simples, onde uma nave alienígena que a Supergirl conhece e teme, chega à Terra e o Superman tem que impedir que mais uma cidade seja seqüestrada e o planeta destruído, o arco “Brainiac” oferece ação, romance, aventura, e um final trágico na dose certa. É uma história que já nasce eterna sem ter que se estender por meses e séries a fio, retendo-se apenas em uma das séries do herói.
Mais um acerto para a equipe de aço!

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

A Saga do Quarto Mundo: Novos Deuses, volume 1 e 2

Ponto central a Saga do Quarto Mundo em New Gods (Novos Deuses em português) temos as aventuras de Orion sozinho ou auxiliado por Magtron e humanos. A parceria entre um deus e humanos seria evocada novamente em Os Eternos (1.976-78) do mesmo Jack Kirby. Em ambas as séries, após a parceria inicial os humanos seriam abandonados.

Aqui a macro-trama é que na Terra o deus maligno Darkseid tem pistas de uma fórmula chamada equação anti-vida ao qual deseja com objetivos próprios. Orion, filho de Darkseid mas criado pelo benigno Pai Celestial, é o nêmese de seu pai e está destinado a matá-lo.

Além de New Gods a Saga do Quarto Mundo foi publicada nos primeiros volumes das séries Mr Miracle (Senhor Milagre), Forever People (Povo da Eternidade) e Superman Pal's Jimmy Olsen (a única que não foi criação original de Kirby).

Originalmente New Gods foi publicada em série bimestral com onze números (março de 1972- novembro de 1972).

Em 1984 a DC Comics re-editou a série original em The New Gods,…