Pular para o conteúdo principal

A cronologia dos X-Men, Parte I

Longa e atualmente de alta numeração a cronologia dos X-Men é fácil de ser entendida, apesar de ter passagens tolas.
Basicamente os eventos principais acontecem em The Uncanny X-Men (reiniciada em 1975) e X-Men – Volume 2 (iniciada em 1992), sendo que em 2001 acrescentou X-treme X-Men, e em 2004 Astonishing X-Men – Volume 3.
O único personagem solo que tem série de longa duração é Wolverine, mas de pouca influência no contexto da saga mutante. Outros personagens tiveram séries mensais como Bishop e Gambit, além do fato que praticamente todos os mutantes já tiveram minisséries.
O início

No início o Professor Charles Xavier criou a sua escola, auxiliado por Amanda Voght e Moira McTaggert. Ele teve um filho na década anterior à abertura da escola, com uma jovem israelense que auxiliou a quebrar um bloqueio mental, num período em que trabalhou em uma clínica junto com Magnus. O quê rendeu uma aventura de Xavier e Magnus contra o embrião da Hidra.

Neste momento, sua escola abrigou Scott Summers (Ciclope), Henry McCoy (Fera), Warren Worthington (Anjo/Arcanjo), Robert Drake (Homem de Gelo) e Jean Grey (Garota Marvel/Fênix). Neste primeiro momento há pouco sobre a evolução do homo sapiens em homo sapiens superior, e mais da aventura de jovens estranhos numa escola com um professor estranho. Já explicava-se o mutante como uma evolução do homo sapiens, porém quase sempre por influência da energia nuclear nos pais – a guerra fria estava no auge.
Apesar de um bom período nas mãos de Roy Thomas e Neal Adams, os X-Men não convencem o público e são cancelados na edição # 93, sendo que o último ano e meio era apenas de reprises – o pior destino de uma série mensal.

Cronologicamente o quê vem em seguida é X-Men: Hidden Years, uma série de John Byrne criada no início da década de 2000.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…