Pular para o conteúdo principal

Sarcófago: Moonshadow

Em 1.985 o universo estava em ebulição e o selo Epic Comics permitiu que viesse a tona uma série de histórias que ficariam gravadas na retina de todos os leitores de quadrinhos. Dreadstar de Jim Starlin marcaria qualquer um, mas sempre tive uma fascinação pelo trabalho de Jean Marc DeMatteis que trouxe trabalhos fundamentais como Blood e Dr. Fate (para a DC), mas acima de tudo a série bimestral em 12 edições, Moonshadow, publicada por aqui pela Editora Globo em 1.991 em série quinzenal.

Narrada pelo próprio Moonshadow já velho, a série é, por falta, de uma descrição melhor “um conto de fadas para adultos” com suas fábulas, suas lições de moral, sua certeza de mudança, seus personagens completamente malignos que possuíam uma última ponta de luz na alma – o quê se repete várias vezes na série, ninguém é completamente mau, ainda que se aproxime disto.

A história narra a jornada para o despertar de Moonshadow e dura cerca de um ano, iniciando com sua expulsão do Zôo dos GL-Doses (criaturas onipotentes, onipresentes), onde sua mãe era prisioneira. Sunflower havia sido raptada na Terra durante os anos sessenta e teve um filho com um GL-Dose. Em vários momentos da série este pai surge como um deus ex-machina para auxiliar ou atrapalhar, os planos de seu filho, Moonshadow, o gato Frodo e irascível Ira, um ser peludo com um apetite sexual insaciável, péssimos hábitos de higiene, pouco respeito pela vida alheia. Ou seja um personagem completamente apaixonante!

A trama mostra disputa de poder, a influência corrupta da Igreja sobre o estado, a influência atordoante da fé sobre a população que naufraga entre a certeza da existência do divino e o caos do pensamento contrário.

Pintada por Jon John Muth (com auxílio de Kent Williams e George Pratt) a série tornou o artista o mais famoso pintor pré Alex Ross, já que além desta série ele teve também publicado “Drácula” (Série Graphic Álbum) e “Wolverine & Destrutor – Fusão” (onde pintava o Destrutor), todos trabalhos dos anos 1.980. Nas duas décadas seguintes fez pequenos trabalhos para Hellraiser (Epic Comics) e o selo Vertigo, mas lentamente saiu do meio dos quadrinhos, talvez pela existência de um artista do calibre do Alex Ross.

Escrita por JM DeMatteis (que também escreveu a seqüência “Farewell, Moonshadow”, publicada pelo selo Vertigo e ainda inédita no Brasil) que dispensa apresentações. Escritor eficiente, DeMatteis já trabalhou com todos personagens da indústria. Defensores, Capitão América, Homem-Aranha (o clássico “A última caçada de Kraven”), a cômica fase na Liga da Justiça Internacional, entre outros.

Vale a pena procurar em sebos a série, que mostra que nem guerras nem o amadurecimento podem corromper a alma de quem sonha.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…