Open top menu
quinta-feira, 2 de agosto de 2018

Talvez uma das frases mais legais da ficção científica atual seja “Eu sou Binti Ekeopara Zuzu Dambu Kaipka da Namíbia”. Ela carrega um peso de autoconhecimento único e apresenta uma pessoa especial. Binti, a menina que é a primeira de seu povo a ir mais longe que suas fronteiras não é única! Tramas de alunos em viagem para a escola onde aprenderão conhecimentos avançados começa bem antes de Ursula Le Guin (O feiticeiro de Terramar, 1968) e vai além, chegando e atravessando JK Rowling. A partida de casa e os desafios são metáforas para o fim da infância, a chegada da adolescência, as responsabilidades e, em algumas séries o início da vida adulta. Mas Binti é especial!

Binti (ISBN 978-0-7653-8446-1, Tor Books, 2015) a novella faz parte de uma corrente da ficção científica chamada “africanfuturism” ou ainda “afrofuturism” que se trata de utilizar a cultura, tradição, cosmologias e estéticas africanas na construção de narrativas próprias, desvinculadas dos modelos ocidentais. Nnedi Okarafor, a autora, não é a única a fazer uso disto – e nem a primeira em que tive contato, mas seu diferencial é a sensibilidade com que trata o tema.

Na trama, Binti, membro da minoria étnica dos himba, está em um conflito. Ela foi convidada para estudar na universidade Oomza Uni em um planeta distante e aparentemente uma referência em ensino. Com grandes habilidades matemática a jovem é uma “harmonizadora” e seria a substituta do pai na loja em que negocia astrolábios. Além disso seu destino está traçado e seu povo nunca deixou seu lugar de origem.

Binti decide fugir e rumar para Oomza Uni, mas no caminho cruzará com os “Medusa” que estiveram em guerra com os khoush – a maioria étnica de seu local de origem. Descobrirá também um uso especial para o otjize – uma pasta que mistura argila, nata de leite, flores e pigmentos e é utilizado com fins estéticos e identitários pelo povo himba, cuja versão da série é baseada em uma etnia que habita a Namíbia – e para um artefato ancestral que encontrou anos antes – o edan.

Além da ação própria do plot há uma genuína sensibilidade em tratar os personagens, suas particularidades, suas visões de mundo e toda sua herança cultural. A autora foge das coisas fáceis e armadilhas de roteiro, não deixando de fazer todas as críticas possíveis, mas apenas de outra forma com uma nova estética e para uma nova audiência.

Interessantíssimo!

Nota: 9/10.
Different Themes
Written by Lovely

Aenean quis feugiat elit. Quisque ultricies sollicitudin ante ut venenatis. Nulla dapibus placerat faucibus. Aenean quis leo non neque ultrices scelerisque. Nullam nec vulputate velit. Etiam fermentum turpis at magna tristique interdum.

0 comentários