Open top menu
sexta-feira, 4 de maio de 2018

Não creio em coincidências. Sei que são padrões que a mente humana usa para organizar a informação.

Ontem li Dylan Dog Mater Mobi, onde uma personificação da doença contaminada o detetive do pesadelo, Hoje leio Thanos (Panini, março de 2018, ISBN 978-85-4261-060-4) onde o personagem título descobre-se doente de uma doença terminal e isto é o gatilho para toda a trama deste volume que coleta as edições #1-6 da série de 2016 do personagem – em tempo: há, no mínimo, mais uma série “Thanos” inicialmente escrita por Jim Starlin e também publicada pela Panini Comics.

Escrita por Jeff Lemire e com arte digital de Mike Deodato a trama não é realmente complexa. Enquanto Thanos tenta achar uma explicação e cura para a doença que o acomete, navegando no espaço, enfrentando seu pai, Mentor dos Eternos de Titã e a Guarda Imperial de Shiar, e fazendo o leitor de bobo, pois ali está a ação mas não a trama de fato; do outro lado temos Thane, filho de Thanos, que reúne uma equipe formada pelo Ancião do Universo Tryco Slatterus, o Campeão; o irmão de Thanos, Eros o Starfox e Nebulosa, tudo com as bençãos de uma personificação da Senhora Morte, que aparentemente trocou o pai pelo filho.

Tudo parece cansativo, roteiro requentado e reprisado ad eternum. A arte de Deodato impressiona positivamente. As hachuras, as linhas verticais e horizontais, tudo em excesso e detalhadas conseguem realmente me fazer imaginar os cenários, os locais em mínimos detalhes. Apenas para registro, é cenário dizer que o artista trabalha há muito (no mínimo desde a passagem em Hulk de Bruce Jones) com o uso de equipamento digital para compor seu desenho. Todo o detalhamento que existe é resultado das ferramentas empregadas e da competência do artista em usá-las. O resultado é impressionante e ofusca o roteiro primário de Jeff Lemire, que retorna há uma questão que está dominando as últimas duas ou três décadas da produção cultural norte americana: a necessidade de o filho sobrepujar o pai e “matá-lo” ou “exorcizá-lo”. De Os Sopranos a Battlestar Galactica, de Thor de Dan Jurgens a Mulher Maravilha de Azzarello há um excesso de exorcismo paternos na indústria cultural.

Divertido como um entretenimento para leitura rápida, “Thanos retorna” de Jeff Lemire e Mike Deodato não sobrevive a uma análise mais profunda de “comos” e “porquês” e certamente é uma diversão bonita, bem desenhada e colorida de acordo ao tema.

Impressiona a capacidade de a Panini Comis conseguir colocar um título “Thanos” nas bancas ao mesmo tempo em que o filme “Vingadores: A guerra infinita” chega aos cinemas e mais, conseguir ainda colocar o encadernado “Desafio Infinita” à disposição no mesmo período! Evidentemente há um “custo” Thanos tem “data de capa” de março de 2018, quando não foi distribuído antes da segunda quinzena de abril.

Thanos diverte mas é mais uma história com 140 páginas que poderia ser contada no formato “graphic novel” em 48 ou 60 sem nenhum prejuízo.
Different Themes
Written by Lovely

Aenean quis feugiat elit. Quisque ultricies sollicitudin ante ut venenatis. Nulla dapibus placerat faucibus. Aenean quis leo non neque ultrices scelerisque. Nullam nec vulputate velit. Etiam fermentum turpis at magna tristique interdum.

0 comentários