Pular para o conteúdo principal

Os mortos-vivos volume 13: Fomos longe demais (2013)


[Trama]
A vida em Alexandria e as escolhas de seus cidadãos. Abraham é escalado para construir os muros e assume uma posição de mando em função da covardia do líder anterior. Rick rouba algumas armas do arsenal com o auxílio de Glenn, depois se envolve em uma briga doméstica com amargas consequências. Glenn sai para buscar antibióticos e de volta tem que enfrentar o distanciamento de Maggie. Michonne depois de uma tentativa falha de relacionamento com Morgan, assume como “agente” e tem que deter Rick e por algum juízo nele. Andrea se enamora e se torna atiradora de elite de uma torre de vigilância. Carl não se sente bem com a ideia de falhas de seu pai e o recrimina em vários momentos.

Eles enfrentam a chegada de um grupo de desconhecidos armados e momentaneamente vencem. Douglas questiona sua liderança e praticamente a entrega à Rick.

[Opinião]
O décimo terceiro volume reúne as edições The Walking Dead #73-78 e mais uma história curta para o Free Comic Book Day de 2013. É uma trama política acima de tudo. O quê os personagens são e fazem e como Alexandria é importante para eles e até que ponto eles irão para proteger a cidade.

A interação entre os personagens é importantes para a trama e faz bem ao desenvolvimento. Pessoalmente acho um pouco arrastado.

De resto a ideia dos andarilhos atraídos por tiros, ou seja, a horda conceito cimentado nos últimos dois anos, mas não visto em sua totalidade ainda, continua a ter espaço, ainda que ninguém cite neste volume as dificuldades motoras dos zumbis que tinham sido citadas antes. Há também o surgimento de um novo grupo de antagonistas. Aqui os incursores são eliminados, mas sabe-se, sem sombra de dúvida que em breve haverá uma nova tentativa de contato.

Os mortos-vivos volume 13: Fomos longe demais, março de 2014. HqM Editora. Texto de Robert Kirkman, lápis e finais Charlie Adlard e tons de cinza Cliff Rathburn. ISBN 978-85-998-5979-7.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…