Pular para o conteúdo principal

Coleção Histórica Marvel, Os Vingadores #4: Ultron (2014)


[Trama]
Em quatro oportunidades os Vingadores e seus aliados enfrentam o androide Ultron.

Na primeira os Vingadores e o Quarteto Fantástico são convidados para o casamento de Cristalys e Mercúrio, ela uma inumana e ele um mutante, filho de … alguém! A história em duas partes foi publicada em The Avengers #127 e Fantastic Four #150 e, se não empolga enquanto enfrentamento entre as equipes e o Ultron-7, ao menos dá um ponto final para a trama do coma de Franklin Richards.

Três anos depois em 1.977 o robô retornaria em The Avengers #161-162 para usar Hank Pym, seu criador nos quadrinhos, para construir uma companheira a quem pretendia ser animada com os padrões mentais de Janet Van Dyne, a Vespa. Jim Shooter não é o melhor escritor da equipe e investia muito na trama de Korvac, mas consegue uma boa aventura semelhante em linhas gerais à história de A noiva de Frankenstein. Nos anos 1.970 a narrativa poderia ser dada aos leitores aos pedaços e meses depois em The Avengers #170-171, a “noiva” é ativada e há um novo enfrentamento entre a equipe e os heróis, enquanto fica evidente que há, no mínimo, mais uma aventura sendo narrada.

Para terminar em The Avengers #201-202, a noiva já tem nome (Jocasta) e colabora com a equipe que enfrenta novamente a ameça de Ultron, que agora foi reconstruído pelo Stark em função de uma sugestão hipnótica feita em seu último ataque.

[Opinião]
Sou um entusiasta da série Coleção Histórica Marvel e em especial de seu papel baxter que creio ser melhor que o LWC, exatamente pela falta de brilho – ler à noite virou um pesadelo. Mas como leitor das antigas prefiro uma publicação mais linear e não períodos tão distintos juntos. A seleção é boa, mas logo vejo que ali tem a história de Korvac, a história da Madonna Celestial, entre outras.

São boas histórias, bastante significativos para o Ultron, ainda que tenha um arco com o Demolidor na época de Atos de Vingança que ajudaria a cimentar a questão das inúmeras versões da armadura. Mas de um modo geral, a segunda série da Coleção Histórica dos Vingadores que trouxe Warlock, Thanos, A Guerra Skrull-Kree e esta edição é uma surpresa agradável para os leitores. Veremos qual será a próxima.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…