Pular para o conteúdo principal

The Ghost Brigades (2006) de John Scalzi

(OldMan's War volume 2: The Ghost Brigades)


Três raças – Rraeys, Eneshans e Obins – estão secretamente se preparando para atacar a Colonial Union, mas a equipe de inteligência do braço armado do empreendimento humano, a Colonial Defense Forces (CDF), utilizando a Special Forces – cujo apelido é The ghost brigades, consegue descobrir o plano e também, que um humano, Charles Boutin, um cientista da CDF, está auxiliando as raças!

Por que? Qual a motivação dele? Como ele está auxiliando estas raças? O quê ele ganha com esta guerra?

Quebrando alguns protocolos éticos, a Colonial Defense autoriza a clonagem de um ser humano vivo – Boutin havia clonado e matado seu clone para encobrir sua fuga. De posse de um sistema que permite a gravação da consciência utilizando restos da tecnologia do Consu, que Boutin foi o pioneiro na pesquisa, a CDF crê ser possível que a consciência do cientista habite o novo corpo. O processo falha e o clone é enviado para a Special Forces com o nome de Jared Dirac, indo para as mãos de Jane Sagan, que sabe que tem alguém de poderá trair a todos, como seu “pai genético” já o fez!

Lentamente emerge a consciência de Boutin. Compreendendo que a CDF é responsável pela morte da filha de Boutin, Dirac deverá escolher seu próprio caminho. Qual será seu posicionamento em relação à guerra?

[Opiniões]
John Scalzi dá uma sequência inteligente à Old Man's War, seu romance de estreia. Aqui ele se concentra em narrar o processo de construção dos membros das Special Forces: criados a partir do DNA dos mortos, a brigada fantasma não tem infância nem memórias afetivas. Nasceu, cresceu e foi preparada para a guerra. Este é seu mundo!

Scalzi não procura esconder suas fontes de inspiração e consegue manter um romance militar com uma enorme quantidade de surpresas. (Uma das minhas críticas aos romances de ficção científica militares é exatamente que é tudo bastante previsível).

É palpável as homenagens à Frankestein – explícita, por sinal, inclusive com a indicação de que os membros das Special Forces leem o livro em uma passagem. Há também uma sutil homenagem a Aliens de James Cameron. Há também dezenas de citações a vários personagens da cultura pop, que vão de Proust, a Tintin e Asterix.

Há diversas camadas de intriga e de rancor na trama. Tudo é maior do quê o leitor vê. Ao desembrulhar o pacote (não resisti a esta “piada” interna aos leitores da série) o leitor fica impressionado com a maneira como as coisas são narradas. Scalzi conta uma surpreendente macro-história sobre o futuro da humanidade através da colonização do espaço concentrando-se em micro-histórias. E não é um romance curto! A versão pocket tem 340 páginas!

Aqui, temos o questionamento ético de fazer clones dos mortos e de eles tem consciência – leia-se “alma”. Seria possível dar a “alma” a alguém? E depois uma pergunta secundária: poderia estes clones dos mortos superarem o condicionamento militar e realmente aprenderem a escolher? Afinal escolha é algo intrínseco ao ser humano. A tentação também!

Este romance retorna à personagem Jane Sagan, clone da esposa de John Perry, e mostra o dia a dia das Special Forces e suas ações para impedir a guerra, nem sempre éticas, e mesmo em uma guerra chegam a ser gritantes. Assim ele produz um romance tão saboroso quanto o primeiro. E tão misterioso. Scalzi não segue o padrão do narrador habitual de sci-fi. Ao apresentar uma raça não faz uma pormenorizada descrição do sujeito, preferindo pincelar detalhes. Agir deste modo enerva e enriquece o leitor, que pode sonhar livre e obviamente faz os sonhos dos produtores de TV, que sentem-se livres para criar qualquer coisa.

Em 2015 de Old Man's War, o primeiro romance da série, será lançado no Brasil pela Aleph e o canal Syfy deverá lançar a série de TV que adapta a trama do primeiro volume. Como “old man's war” não é um nome muito bom para uma série de TV, os releases têm divulgado que a série se chamará “The Ghost Brigades”.

Um livro essencial! Espero que a série de TV também o seja! Assim como espero que isto permite que o autor retorne à série.

The ghost brigades, John Scalzi, TOR, ISBN 978-0-7653-5406-8.

Lançamento
Título
2005
The Old Man's War
2006
The Ghost Brigades
2007
The Last Colony
2008
Zoe's Tale


Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…