Pular para o conteúdo principal

Wild Cards Livro 2: Ases nas Alturas

Em 1.946 um vírus alienígena foi liberado em nossa atmosfera. Aos infectados restaram as seguintes sinas: rainha negra, a morte (90% dos infectados); ases, que receberam poderes que os permitiram agir como os ficcionais heróis (1% dos infectados); curingas, que se tornaram deformados e foram segregados no Bairro dos Curingas em Nova Iorque (9% dos infectados) e os dois de paus, pessoas que receberam poderes ridículos e que não alteraram suas vidas.

O vírus era parte de um experimento takisiano. Dr. Tachyon, membro da raça, crendo-se responsável pelos efeitos passou a tratar e orientar os infectados. Anos depois abriu uma Clínica no Bairro.

O primeiro volume cobre o período de 1.946 até 1.979. Neste volume temos um prólogo ainda em 1.979, mas as outras histórias transcorrem em 1.986, próximo dos quarenta anos da liberação do vírus.

* * *

Seriam os takisianos a única raça no universo? Não! Seria a única que tem interesses na Terra? Não, novamente.

A trama que percorre as 398 páginas do livro 2 refere-se em especial à chegada de TIAMAT, uma criatura alienígena que poderá destruir a Terra e a união de diversos ases e curingas para impedir os principais ataques. Paralelamente Fortunato segue um rastro que o leva a um ramo maçom que adora a criatura e a está atraindo para a Terra.

Além de vários coadjuvantes interessantes unem-se à história dois novos personagens decisivos, o androide Modular e o alienígena Jhubben, que está oculto na Terra e defende os interesses de uma associação comercial, enquanto passa por um simples curinga, o jornaleiro Jube, o Morsa.

* * *
A grande trama do livro que é sobre uma criatura que poderia destruir a Terra soa tanto como Galactus, como o ainda anterior Devorador de Sóis, criado nos anos 1960 nas aventuras da Legião dos Super-Heróis e diversas vezes reutilizado como em A Noite Final. Curiosamente a versão de Galactus do Universo Marvel Ultimate aproxima o devorador de mundos ao devorador de sóis e estende um pouco, na hábil trilogia Ultimate Galactus, já publicada no Brasil.

Esta é a primeira impressão: Wild Cards sugou dos quadrinhos e da ficção científica temas, os trabalhou de forma diferente – nem sempre melhor, é necessário admitir – e os costurou em um modelo intricado. A presença de sexo leva as tramas a novos horizontes. Modular, o androide não hesita muito em transar com a garota que resgatou, e sim eles tem os apetrechos necessários. Fortunato que absorve energia do sexo, passa boa parte do livro transando e em um momento importante se recarrega com uma protistuta de rua. Mas, não se engane, o sexo não é uma constante.

Se em alguns momentos vemos em Modular as tramas de Visão/Tornado Vermelho, os personagens androides mais conhecidos dos quadrinhos, é possível observar que o arqueiro Yeoman deve ter influenciado o Arqueiro Verde e alucinado Capitão Viajante, deve também ter influenciado o esquizofrênico Badger.

No entanto, comparar é empobrecer.

Algumas tramas são ágeis (Fortunato, Modular, Croyd, Jube, algumas com Tachyon) outras são arrastadas (o Grande e Poderoso Tartaruga, algumas com Tachyon) ou confusas demais (Capitão Viajante e seus egos), que nem sempre oferecem todas as respostas de forma fácil para o leitor.

Talvez esse seja o problema para o leitor de quadrinhos mediano.

As tramas dos quadrinhos seguem o modelo clássico do teatro grego: apresentação, conflito, desenvolvimento, solução. Aqui em Wild Cards existe uma tapeçaria mais intrigada de motivações e apresentações, tramas dentro de tramas e alguns personagens que gostaríamos de ver mais e ainda não vimos – Peregrina, por exemplo. Como não segue a fórmula fácil que os escritores usam nos quadrinhos, pode afastar leitores que vão buscar um adulto, mas ainda parecido.

No mais a história é realmente divertida. Culpar ramos da Maçonaria, falsos deuses egípcios e oferecer ao leitor um dispositivo de teletransporte que teima em mudar de mãos é juntar elementos, que bem conduzidos permitem criar boas histórias.

A trama conclui no Livro 3.

Wild Cards Livro 2: Ases nas Alturas, editado por George R R Martin, escrito por Martin e vários, publicado nos EUA em 1.987, traduzido e publicado no Brasil pela Leya, 2013, ISBN 978-85-8044-876-4.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…