Pular para o conteúdo principal

Doctor Who [Arco 081]: Planet of Evil


Iniciando um novo ciclo de aventuras o Doutor (Tom Baker) e sua companheira Sarah Jane Smith (Elisabeth Sladen) chegam à Zeta Minor na fronteira do Universo e deparam-se com uma ameaça que põem em risco uma expedição de resgate e a possibilidade de salvar o sistema estelar Morestran.

[Localização no Continuum]
Planet of Evil é o 81º arco da série de TV britânica Doctor Who, exibida pela BBC. É o segundo arco da 13º temporada. É composto de quatro episódios com 25 minutos em média e foi exibido de 27/09/1975 a 18/10/1975.

[Trama]
A TARDIS recebe uma mensagem de socorro vinda de Zeta Minor no ano 37 mil. Investigando a origem se deparam com o último sobrevivente de uma expedição geológica Professor Sorenson (Frederick Jaeger) que crê que o minério colhido por ele poderá alimentar o sol de seu sistema estelar – genericamente chamado de Morestran. Sorenson é retratado como um cientista determinado e levemente enlouquecido, seja pela solidão, pela perda dos colegas ou por influência de uma consciência naquele planeta.

No entanto, Zeta Minor o planeta onde está sendo feito a pesquisa, fica no limite entre matéria e anti-matéria e o minério seria, na verdade, pedaços de anti-matéria que a consciência do planeta não permite que saiam do ponto de origem. Passa a matar os membros da expedição arqueológica e também os membros da equipe de resgate.

Inicialmente responsabilizados pelos crimes o Doutor e Sara unem-se ao reticente Salamar (Prentis Hancock) e seu segundo em comando Vishinsky (Ewen Solon) – deixando claro uma disputa pelo cargo de capitão da nave – para esclarecer os crimes e descobrem a intenção do ser de anti-matéria: não permitir que os fragmentos saiam do planeta.

A melhor opção para tanto é matar a todos!

[Curiosidades]
Muito diferente de todos os episódios de Doctor Who clássico que assisti até o momento Planet of Evil realmente se assemelha a um conto de terror, especialmente os dois primeiros episódios.

Em diversos momentos aponta suas inspirações, sejam elas no filme Planeta Proibido (uma adaptação da peça A tempestade de Shakespeare), seja no livro O estranho caso do Dr Jekyll e Sr Hyde e obviamente a distribuição de cargos e formato interno da nave de resgate de Morestran que me lembra muito o formato geral das pontes de comando da Federação dos Planetas Unidos do Universo de Star Trek, especialmente se levar-mos em conta que a história se passa no limite do universo, algo deveras comum na série americana.

O arco foi adaptado para o formato de novela em “Doctor Who and The Planet of Evil”, adaptado por Terrance Dicks e lançado em 18 de agosto de 1.977 na edição 47 da série de romance do Doctor.

-1
(Arco 80)
0
(Arco 81)
+1
(Arco 82)
Planet of Evil
Pyramids of Mars















Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…