Pular para o conteúdo principal

Vingadores: Guerra sem fim [OGN]


A primeira coisa que penso ao pegar a edição da primeira graphic novel original da Marvel Comics em muitos anos é: "Legal, lançamento mundial!"

Nunca entendi por que não aproveitar o atual estágio da informação e zerar completamente o delay cronológico (e olha que alguns amigos editores já tentaram explicar).

Em seguida achei uma edição bonita, com bom papel, capa dura, uma boa quantidade de páginas e um preço justo pelo que entrega na parte gráfica, lembrando em muito as edições americanas das graphic novels dos anos 1.980.

Mas tirando isto, Vingadores: Gerra sem fim de Warren Ellis (texto), Mike McKone (arte) e Jason Keith (cores), ISBN 978-85-658-493-0, Panini Comics/Marvel Comics, outubro de 2013 (lançamento mundial) é apenas uma história que busca colocar em evidências os personagens dos Vingadores que tem franquias cinematográficas, como Capitão América, Thor e Homem de Ferro, e correndo por fora Wolverine, Hulk, Gavião Arqueiro, Viúva Negra e Capitã Marvel (a única que não está nas versões cinematográficas até o momento) e com isso conseguir uma história que venda em todos os países em que o livro for lançado.

Ao fundo, fica-se com a impressão de uma continuação que usará uma trama envolvendo a SHIELD e a limitação ao super-humanos, mas a trama não deslancha neste sentido. Veremos as vendas, então a coisa pode virar uma trilogia, tão em moda na produção cultural.

[A trama]
Em um país em que os EUA estão fornecendo suporte militar para acabar com uma revolta civil, o Capitão América encontra um fantasma do passado e pede que a equipe dos Vingadores vá lá investigar com ele.

Thor, o deus asgardiano, também vê-se envolvido, pois o armamento (um evolução dos drones tão polêmicos atualmente), na verdade, é fruto de um dragão místico que eventualmente escapou para nossa dimensão e que ele acreditava ter destruído durante a Segunda Grande Guerra.

A trama complica razoavelmente quando a SHIELD continua a esconder informações e um lote destes drones-dragões vão para dentro dos Estados Unidos com risco de enlouquecerem após a ativação.

[Opinião]
A trama tem diálogos longos, próprios de Ellis, mas realmente sofre com uns cortes abruptos em algumas passagens. Note ao menos duas: 1) quando o Thor descobre os drones e começa sua narrativa, e 2) quando o Capitão América se depara com a dupla responsável pelos monstros. A arte e as cores funcionam bem, mas o foco é no conflito que move os heróis especialmente a necessidade de usar Wolverine e Hulk para fazerem o serviço sujo. O chato é pensar que há tanto no infinito baú dos limitados conflitos que o Capitão teve na Segunda Guerra.

Ellis consegue produzir uma história da equipe da Terra 616 (a Terra padrão do Universo Marvel), mas com uma claríssima inspiração na narrativa dos Supremos, a versão dos Vingadores do Universo Ultimate. Ao usar a Segunda Guerra como ponto inicial para a trama, faz ecoar o primeiro volume de The Ultimates de Mark Millar e Bryan Hitch, assim como usar o quarteto Capitão, Hulk, Thor e Homem de Ferro não exatamente como amigos, mas como aqueles que vingam.

Um detalhe adicional é o inútil aplicativo MARVEL AR (Marvel Realidade Aumentada), que não fornece nenhum informação útil e apenas anima um quadro ou mostra um diálogo nesta ou naquela sequência - contêm 3 intervenções e testei duas, mas vou conferir novamente. É um produto sub-utilizado!

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

A Saga do Quarto Mundo: Novos Deuses, volume 1 e 2

Ponto central a Saga do Quarto Mundo em New Gods (Novos Deuses em português) temos as aventuras de Orion sozinho ou auxiliado por Magtron e humanos. A parceria entre um deus e humanos seria evocada novamente em Os Eternos (1.976-78) do mesmo Jack Kirby. Em ambas as séries, após a parceria inicial os humanos seriam abandonados.

Aqui a macro-trama é que na Terra o deus maligno Darkseid tem pistas de uma fórmula chamada equação anti-vida ao qual deseja com objetivos próprios. Orion, filho de Darkseid mas criado pelo benigno Pai Celestial, é o nêmese de seu pai e está destinado a matá-lo.

Além de New Gods a Saga do Quarto Mundo foi publicada nos primeiros volumes das séries Mr Miracle (Senhor Milagre), Forever People (Povo da Eternidade) e Superman Pal's Jimmy Olsen (a única que não foi criação original de Kirby).

Originalmente New Gods foi publicada em série bimestral com onze números (março de 1972- novembro de 1972).

Em 1984 a DC Comics re-editou a série original em The New Gods,…