Pular para o conteúdo principal

Dylan Dog #02: Jack, o estripador

A segunda edição de Dylan Dog apenas ajuda a cimentar alguns clichês da série: um caso que a Scotland Yard ridiculariza, o investigador do pesadelo é contratado, seu secretário faz diversas piadas em momentos inapropriados, o investigador transa com a cliente e naquele início há um deus ex machina que o salva no momento final.

Aqui, após a “convocação” de Jack, o estripador em uma sessão espírita os presentes são assassinados um a um. A suspeita é Jane Sarandon, enteada da primeira vítima, que alimentando o boato de ser um crime sobrenatural contrata Dylan Dog para inocentá-la.

A história flui bem e temos espaço para o Inspetor Bloch, que já havia aparecido brevemente no primeiro volume. Bloch deixa claro que lamenta a saída de Dylan da polícia. O Inspetor também não se furta a permitir que o ex agente tenha acesso a locais e informaçõe privilegiadas.

A capa de Claudio Villa é bem construída, apesar de não gostar tanto da arte interna de Trigo. O roteiro de Sclavi não consegue ser surpreendente em nenhum momento, ainda que as tiradas de Groucho sejam divertidas. Talvez o revelador seja o fato de que um personagem Bonelli tenha vida sexual, afinal quando pensamos em personagens da editora italiana vem à mente imediatamente Tex, que não faz menção ao assunto. Invariavelmente Dylan Dog é contratado por uma cliente e invariavelmente transa com ela. É uma boa fórmula, mas corre o risco de ser previsível e de abrir espaço para que ele seja manipulado.

Com episódios de trama fechada vamos construindo uma mitologia em torno do detetive: o clarinete para ajudar a pensar, o gosto por filmes de terror (sim, novamente ele leva a cliente para ver um filme inapropriado à ocasião) e uma ponta de sobrenatural mesmo quando o caso nada mais é do quê um crime comum.

Divertido.

Dylan Dog #02, Record, 1991.

Dylan Dog – Editora Record
(-1)
#01

#02
(+1)
#03
Jack, o estripador
As noitas da lua cheia

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

A Saga do Quarto Mundo: Novos Deuses, volume 1 e 2

Ponto central a Saga do Quarto Mundo em New Gods (Novos Deuses em português) temos as aventuras de Orion sozinho ou auxiliado por Magtron e humanos. A parceria entre um deus e humanos seria evocada novamente em Os Eternos (1.976-78) do mesmo Jack Kirby. Em ambas as séries, após a parceria inicial os humanos seriam abandonados.

Aqui a macro-trama é que na Terra o deus maligno Darkseid tem pistas de uma fórmula chamada equação anti-vida ao qual deseja com objetivos próprios. Orion, filho de Darkseid mas criado pelo benigno Pai Celestial, é o nêmese de seu pai e está destinado a matá-lo.

Além de New Gods a Saga do Quarto Mundo foi publicada nos primeiros volumes das séries Mr Miracle (Senhor Milagre), Forever People (Povo da Eternidade) e Superman Pal's Jimmy Olsen (a única que não foi criação original de Kirby).

Originalmente New Gods foi publicada em série bimestral com onze números (março de 1972- novembro de 1972).

Em 1984 a DC Comics re-editou a série original em The New Gods,…