Pular para o conteúdo principal

Dylan Dog #02: Jack, o estripador

A segunda edição de Dylan Dog apenas ajuda a cimentar alguns clichês da série: um caso que a Scotland Yard ridiculariza, o investigador do pesadelo é contratado, seu secretário faz diversas piadas em momentos inapropriados, o investigador transa com a cliente e naquele início há um deus ex machina que o salva no momento final.

Aqui, após a “convocação” de Jack, o estripador em uma sessão espírita os presentes são assassinados um a um. A suspeita é Jane Sarandon, enteada da primeira vítima, que alimentando o boato de ser um crime sobrenatural contrata Dylan Dog para inocentá-la.

A história flui bem e temos espaço para o Inspetor Bloch, que já havia aparecido brevemente no primeiro volume. Bloch deixa claro que lamenta a saída de Dylan da polícia. O Inspetor também não se furta a permitir que o ex agente tenha acesso a locais e informaçõe privilegiadas.

A capa de Claudio Villa é bem construída, apesar de não gostar tanto da arte interna de Trigo. O roteiro de Sclavi não consegue ser surpreendente em nenhum momento, ainda que as tiradas de Groucho sejam divertidas. Talvez o revelador seja o fato de que um personagem Bonelli tenha vida sexual, afinal quando pensamos em personagens da editora italiana vem à mente imediatamente Tex, que não faz menção ao assunto. Invariavelmente Dylan Dog é contratado por uma cliente e invariavelmente transa com ela. É uma boa fórmula, mas corre o risco de ser previsível e de abrir espaço para que ele seja manipulado.

Com episódios de trama fechada vamos construindo uma mitologia em torno do detetive: o clarinete para ajudar a pensar, o gosto por filmes de terror (sim, novamente ele leva a cliente para ver um filme inapropriado à ocasião) e uma ponta de sobrenatural mesmo quando o caso nada mais é do quê um crime comum.

Divertido.

Dylan Dog #02, Record, 1991.

Dylan Dog – Editora Record
(-1)
#01

#02
(+1)
#03
Jack, o estripador
As noitas da lua cheia

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

O único animal, Luís Fernando Veríssimo

O homem é o único animal...
...que ri
...que chora
...que chora de rir
...que passa por outro e finge que não vê
...que fala mais do que papagaio
...que está sempre no cio
...que passa trote
...que passa calote
...que mata a distância
...que manda matar
...que esfola os outros e vende o pêlo
...que alimenta as crias, mas depois cobra com chantagem sentimental
...que faz o que gosta escondido e o que não gosta em público
...que leva meses aprendendo a andar
...que toma aula de canto
...que desafina
...que paga pra voar
...que pensa que é anfíbio e morre afogado
...que pensa que é bípede e tem problema de coluna
...que não tem rabo colorido, mas manda fazer
...que só muda de cor com produtos químicos ou de vergonha
...que tem que comprar antenas
...que bebe, fuma, usa óculos, fica careca, põe o dedo no nariz e gosta de ópera
...que faz boneco inflável de fêmea
...que não suporta o próprio cheiro
...que se veste
...que veste os outros
...que despe os outros
...que só lambe os outros
...que tem cotas de emigração
...qu…