Pular para o conteúdo principal

Sweet Tooth ou Escolha o apocalipse

Apocalipse quer dizer “revelação”, mas seu uso mais corrente é o de “fim do mundo”.

Atualmente três séries chamam atenção sobre esta tipo de trama. Y O ÚLTIMO HOMEM recém conclusa, narra a história do último homem quando uma praga extermina todos os portadores do cromossomo y (os homens).

Em dez volumes a série é um achado e há anos se fala em uma adaptação ora para o cinema, ora para a TV. No Brasil foi publicada até o fim pela Panini Comics em 10 volumes correspondentes aos 60 números norte-americanos.

THE WALKING DEAD trata sobre o apocalipse zumbi e a sobrevivência de um grupo de pessoas orientados por Rick Grimmes. A série é cheia de altos e baixos e mesmo tendo conseguido uma venda recorde no 100º número no ano passado, dá sinais evidentes de cansaço e de uso de choque de valores para manter o público.

Adaptada para a TV pelo canal AMC, mesmo de Breaking Bad e Mad Men, ambas séries premiadas, a série concluiu a terceira temporada e já tem uma quarta contratada, mas teve um final de temporada decepcionante apesar de audiência recorde.

No Brasil a série é publicada pela HQM Editora em encadernados trimestrais e agora em uma série em formato comics mensal e para bancas.

SWEET TOOTH é uma série da Vertigo escrita e desenhada por Jeff Lemire que trata sobre a sobrevivência após uma praga que fez com que as crianças nascessem com anormalidades que o fazem lembrar animais. Aparentemente a praga afetou o mundo de alguma maneira a ser devidamente explicada para frente.

O desenho de Lemire só pode ser classificado como “alternativo” e a trama se desenvolve sob o ponto de vista do personagem principal que nunca havia saído da fazenda onde vivia com o pai. Com a morte do velho, ela inicia uma jornada, transformando assim a série em um “road comics”, “um quadrinho sobre sobreviventes de uma praga”, “um quadrinho 'sério e sensível'” e um “quadrinho sobre uma jornada de autodescoberta”. Será que eu precisava de mais um?

Publicada pela Panini Comics a série deve ter colhido bons resultados, pois depois de uma edição lançado no último trimestre de 2012 já recebeu mais duas edições. A mim não impressionou e achei deveras repetitiva e tediosa, mal que assola os atuais quadrinhos.

Mas se Glenn pode morrer...

O negócio é esperar o choque de valores e descobrir o quê os autores vão fazer para impressionar os leitores e manter/aumentar as vendas. Difícil e imaginar uma série com início, meio e fim e trabalhar de forma adequada usando estes recursos.

Mas quem sabe impressiona.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…