Pular para o conteúdo principal

Stormbringer Livro 2: Black Sword's Brothers

A man who can't forget the past is a man who cannot plan for the future.

Stormbringer é uma coletânea de quatro noveletas de Michael Moorcock que tem como personagem principal o último Imperador Feiticeiro de Melniboné, Elric de Melniboné. A primeira edição da coletânea data de 1.965, publicada no ano seguinte ao encerramento do ciclo. É comum nos trabalhos de Moorcock que ele revise o trabalho quando publicado em um novo formato, assim o livro A espada diabólica (Livraria Francisco Alves Editora, 1975) tem uma versão mais curta da história.

O livro é composto pelas noveletas Dead God's Homecoming, Black Sword's Brothers, Sad Giant's Shield e Dommed Lord's Passing. Esta segunda noveleta foi publicada em Science Fantasy #61, em outubro de 1.963.

A trata geral é sobre um conflito armado sobre oriente e ocidente e sobre o uso de magia em ambos os lados, desequilibrando a balança que equilibra as forças naquele universo.

[A trama]

Temendo a ameça das forças orientais de Pan Tang e especificamente Jagreen Lern que conjurou e “domina” os Duques do Inferno, Elric de Melniboné tenta criar uma união entre os reinos ocidentais, à qual os sulistas resistem e não aderem.

Percebendo as forças do Caos agindo e influenciado as batalhas, Elric teme que esta seja uma guerra definitiva que fuja do escopo humano e passe para os plano das forças elementais do universo. Ele teme que esta seja a luta definitiva entre Caos e Ordem.

Disposto a fazer alguma diferença, Elric e Mooglum partem para a Ilha dos Feiticeiros para invocar a ajuda dos White Lords de modo a enfrentar o teocrata, mas recebem um aviso de Sepiriz de que poderá utilizar os irmãos de Stormbringer, a sua espada vampira de almas, na luta contra os Lorde do Caos invocados por Jagreen Lern, Arioch – seu próprio demônio-patrono -, Balan e Maluk.

[Comentários]
Irmãos da Espada Negra!? Como assim? No texto não há citações diretas ao multiverso ou a outras dimensões, mas ao se conhecer o trabalho de Moorcock, uma das primeiras coisas apresentadas é o uso do multiverso, uma série de dimensões gêmeas interligadas ou não. Aqui o que acontece é que Elric convoca bilhões de Stormbringers do multiverso para enfrentarem os Lordes do Caos.

O episódio é bem escrito apesar de já se perceber alguns clichês de Moorcock: deixar um recado com um feiticeiro, um mago, um profeta, um mensageiro para alcançar Elric. Numa terra sem telefones e sem internet é um método bem eficiente, mas estranha-se que em um época de guerra o príncipe albino creia nestas pessoas.

A noveleta estende as dores e sofrimento de Elric na ausência de Stormbringer, o quê é bom para a narrativa ao não exibir um “herói” infalível fisicamente. Moralmente nem se fala, já que novamente Elric quebra uma promessa, aqui com boas razões: uma armada derrotada à qual jurou auxílio não recebe o prometido, por não ser possível corrigir a derrota e poderia enfraquecer os exércitos de Elric.

Outro detalhe que não passa desapercebido é que a luta entre estas forças marcará o fim desta era de mesma maneira em que acontece no fim de O senhor dos anéis. É uma luta definitiva e a humanidade poderá tombar ante as forças que estão se digladiando. O Caos já está com uma grande vantagem sobre a Ordem e a balança está desequilibrado em seu favor. Conseguirá Elric e seus aliados derrotarem as forças humanas e as forças do Caos que estão em ação?

Fora isso fica um pouco incômodo para o leitor iniciante o surgimento dos irmãos de Stormbringer, sacados como um deus ex machina do bolso de Moorcock, que funciona, mas incomoda em igual proporção. Afinal o grande avanço da história é o envio dos Lorde do Caos para sua dimensão de origem, só possível graças à intervenção das lâminas do multiverso.

As imagens que compõem este post são da série Elric: Stormbringer (1997) escrita e desenhada por P. Craig Russell e publicada em sete números pela Dark Horse/Topps Comics.


















Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…