Pular para o conteúdo principal

Noé Tome 1 Pour la cruauté des hommes

Nos últimos anos tenho tido um cansaço especial com os quadrinhos enquanto mídia em função de seus temas: o quadrinho de super-herói cansa, especialmente se você o lê há mais de trinta anos como eu.

Torna-se cada dia mais comum deixar de acompanhar séries de personagens para acompanhar autores. Troco facilmente o lote de histórias do kryptoniano produzidas por John Byrne e Dan Jurgens, pelo lote de Grant Morrison. São gostos, é claro.

O certo, no entanto, é que a repetição de acontecimentos e de estratégias afasta o leitor. Qual a diferença entre The New 52 para Marvel NOW?

Então, às vezes penso que Alan Moore é apenas um velho gagá com ego inflado, para então acordar e ver que o mago inglês tem razão quando disse que todas as histórias já foram contadas e o talento reside em contá-las de novo para uma nova audiência.

Assim é Noé, Livro 1 Por causa da maldade dos homens (tradução livre de Noé Tome 1 Pour la cruauté des hommes, álbum publicado na França por Le Lombard em 2011) de Darren Aronofsky & Ari Handel e arte e cores de Niko Henrichon.

O livro, que tenciona ser o primeiro de quatro, reconta a história clássica – e bíblica – de Noé, um homem justo em uma sociedade profundamente corrompida que é avisado pelo criador que o mundo será purificado através de uma grande inundação. Caberá a Noé um papel de salvar os justos e os animais com a construção de uma arca.

A história nas mãos competentes deste trio torna-se uma narrativa apocalíptica e um cenário de sci-fi bem construído e condizente com muito da produção da revista Heavy Metal ou dos Humanóides Associados. Há evidentemente um tom ecológico na trama, sem, no entanto, ser piegas, chato, eco-xiita ou pretensioso. Noé é, acima de tudo o ecologista mor da humanidade, já que resgatou os animais de uma grande catástrofe natural, permitindo a sobrevivência dos mesmos enquanto os atos dos homens provocaram o seu fim.

De acréscimo há uma simpática reformulação do conceito de serafins caídos, que nós, criados na cultura judaico cristã, automaticamente atribuímos aos demônios e suas hordas; mas aqui são retratados de forma original: por escolha própria caem para ensinar ao homem a ciência e são vítimas do mau uso deste conhecimento. No livro os serafins tornam-se os gigantes várias vezes referidos no Pentateuco.

A única crítica fica por conta do pouco desenvolvimento da família de Noé, o quê se diga de passagem é bastante condizente com o papel da mulher e dos filhos no contexto da sociedade retratada na Bíblia. A esposa entra muda e saí calada e aceita todo o radicalismo do esposo.

Espero que seja publicado no Brasil no mais breve possível e faço votos que a Editora Nemo conheça o material e tenha, não só interesse, mas capital para adquirir os direitos e publicar a obra.







Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…