Pular para o conteúdo principal

A queda do morcego, Parte 1

Não sou fã das revisões de status que a DC Comics produziu entre 1991/94, pois entendo que a editora estava produzindo história apenas chocar.

A queda do morcego, um longo ciclo de histórias do Batman, é uma destas histórias do choque pelo choque em si e traz um novo vilão Bane que une o improvável: a força bruta com a inteligência. Para que os leitores tenham uma ideia, Bane une conceitos que já tinham sido apresentados em outros vilões especialmente o Crocodilo, o Máscara Negra e Ra's Al Ghul, com maior ou menor proximidade, mas foi o vilão hispânico que levou a fama de “quebrar” Batman.

[Quem é Bane?]
Criado em uma prisão em Santa Prisca, uma republiqueta de bananas do universo DC que já tinha sido visitada por Batman em um Legends of the dark knight chamado Veneno que se passa à margem da cronologia, Bane utiliza a droga veneno para lhe dar força física e tem no totem do morcego um inimigo.

Aprisionado desde antes do nascimento por um crime que seu pai cometeu, Bane foge e ruma para Gotham City disposto a destruir o homem que usa o emblema do morcego, Batman de Gotham City.

[Enquanto isso em Gotham City]
Na cidade natal do Batman, Bane o encontra dividido entre lutas de gangues – a gangue do Máscara Negra, vilões violentos e à beira do stress físico e mental, o que permite que vilões de quinta categoria façam frente à sua experiência. Nota-se uma tentativa extrema de humanizar o herói em várias frentes, fazendo perder imóveis (parte significativa da fortuna Wayne é em função dos imóveis que possui), renda e a saúde.

Porém nota-se que o Batman quebradiço de Doug Moench não encontra um verdadeiro correspondente no texto de Alan Grant e Chuck Dixon, mas isso não atrapalha um “possível prazer” que o leitor tenha ao ler o material, apenas evidencia que arcos envolvendo vários títulos.

Decide então libertar os prisioneiros do Asilo Arkham para criar o ambiente perfeito para destruir o homem morcego.

De pano de fundo a crise faz com que o Robin da época (Tim Drake) treine um possível substituto, o violento Azrael, agente de uma ordem secreta com um complexo sistema de implante mental e para coroar o Comissário Gordon passa a ser ainda mais questionado por sua associação com um vigilante.

Como era praxe na época o evento cobriu as várias séries mensais do cruzado encapuzado, a saber: Batman, Detective Comics e Shadow of the bat. Ainda que não seja um ponto alto na produção do homem morcego, assim como não o foi A morte do Superman ou Crepúsculo Esmeralda, eventos semelhantes, merece uma leitura curiosa.







Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…