Pular para o conteúdo principal

João das Fábulas: A grande fuga

 Há anos as editoras em quadrinhos norte-americanas estão dividir séries para capturar vendas e raramente tem algo a acrescentar mesmo nos quadrinhos de aventuras e super-heróis. Jack of Fables (João das Fábulas, no Brasil) série derivada de Fables (Fábulas) é assim: não acrescenta nada de interessante à Fábulas e não deve ser entendida como uma leitura obrigatória.

A Panini tentou vender a série no Brasil como uma minissérie em 4 edições, iniciando um ciclo de várias séries, mas aparentemente a ideia não foi bem aceita por que a partir do segundo ciclo a editora já retornou ao já clássico e consagrado formato de encadernados.

Nas edições #1-2 da série nacional temos a publicação do arco “A grande fuga”, originalmente publicada nas edições #1-5 da série americana com texto de Bill Willingham & Matthew Sturges, arte de Tony Akins e finais de Andrew Pepoy. Após o fracasso do fim do projeto em Hollywood, João, o trapaceiro das Fábulas mais preocupado em estabelecer sua própria fábula como importante, é capturado pelo senhor Revisor e suas assistentes, as senhoritas Páginas e aprisionado na Comunidade do Asilo Galhadas Douradas.

O arco mostra a sua fuga desta Comunidade, junto com alguns tipinhos já vistos em Fábulas, como Cachinhos Dourados, e uma dezena ou duas de fábulas secundárias, entras elas se destacando Dorothy & a trupe de Oz, a lebre e a tartaruga e os anões – de Branca de Neve.

A história se sustenta mais na personalidade canalha de João do que realmente numa estrutura de história em si. Se você curte os exageros e as indiscrições do personagem, que não tinham um espaço na série principal, você irá se divertir, ou então vai entender que é um preâmbulo para criar uma história para esta série, que só se desenvolverá adequada mais à frente.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…