Pular para o conteúdo principal

A trilogia Sprawl, I: Neuromancer de William Gibson

A primeira impressão que se tem quando se lê um livro de 25 anos que fala sobre tecnologia é que a tecnologia retratada, assim como a linguagem e a maneira como foi escrito caducaram, afinal em 1.984 já existia uma série de coisas que eram retratadas no livro, mas em um nível diferente, acadêmica ou empresarial. Assim, rede de computadores para transmissão de dados, celulares e bio-engenharia já existia, mas ninguém realmente os conhecia e tudo era apenas um modelo de ficção científica. A maneira de se referir a algumas coisas resultantes da criatividade humana estava mais para Star Trek com que para uma ficção científica (sci-fi) razoavelmente pé no chão.

Isso não aconteceu com Neuromancer, romance de sci-fi de William Gibson, considerado o inaugurador do movimento cyberpunk.

Naquele tempo retratado as grandes corporações tomaram o lugar do Estado. Elas eram o estado. A matrix – o cyberespaço – era possível de ser acessada e ser vivenciada – alguém falou em internet, redes sociais e uma segunda geração de programas como o atualmente finado Second Life?

Isto era (é) o cyberpunk em suas origens, e é aqui que encontramos Case um sujeito no meio do caminho da última volta de seu parafuso, exilado quimicamente da matrix e cada dia mais próximo da última trapaça. Mas Case encontra Molly – uma ninja em couro, olhos com lâminas espelhadas e lâminas sob os dedos – e Armitage – um militar obsessivo, mas militares obsessivos não são exatamente o tipo de sujeito a quem devemos confiar – que lhe oferecem uma chance de redenção – e redenção aqui quer dizer voltar para a matrix – em troca de um servicinho cheio de detalhes; muitos detalhes; detalhes sujos. Para coroar este aglomerado – porque é um aglomerado e não uma união – de pessoas, temos uma inteligência artificial cheia de ideias pouco razoáveis.

Primeiro romance a ganhar os três maiores prêmios da sci-fi (Hugo, Nebula e Philip K. Dick) Neuromancer envelheceu bem e sua linguagem ainda é desafiante, atual. A história é bem narrada, ainda que aqueles que estão acostumadas a lerem livros que seus pais leriam, possam achar que há sexo, violência, drogas e referências obscuras demais. Outros podem achar que estão lendo a história que influenciou uma geração.

Neuromancer (ISBN 978-85-7657-049-3), Aleph (2012, 4ª edição, 4ª reimpressão), publicado originalmente em 1.984. Tradução de Fábio Fernandes a partir da edição de 25 anos.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…