Pular para o conteúdo principal

Os Vingadores para o século XXI, Parte 1


Então um dia a Marvel percebeu que poderia se aproveitar do público que foi assistir X-Men, o filme e iria assistir Homem-Aranha para aumentar suas tiragens.

Porém teria que ser algo sem o peso cronológico de 40 anos de publicações que nunca tiveram um verdadeiro rebute (ou reboot, se preferir).

Assim, teve a ideia de produzir um novo universo com seus personagens clássicos mas no século XXI.

O mote inicial foi a droga para criação do super-soldado, mas engrossou o caldo com o ataque terrorista ao World Trade Center e então se tornou uma máquina da visão americana de domínio cultural e militar, ainda que seja um universo muito bom e divertido, com vários momentos de excelência em seu início.

Surgiu o selo MARVEL ULTIMATE, que tem na série ULTIMATE SPIDER-MAN sua produção mais contínua e juvenil, e em THE ULTIMATES sua produção mais pessoal e adulta.

The Ultimates é a versão século XXI dos Vingadores. A série produzida por Mark Millar (texto) e Bryan Hitch (lápis) é dividida em dois volumes que narram com eficiência a formação de uma gigantesca força de ataque militar criada para uma guerra vindoura que é consequência  de um contato alienígena ainda na Segunda Grande Guerra.

Como resposta à esta força em ação, criou-se um soro que transformava o homem comum em super-soldado e sua fórmula foi perdida após o heroico Capitão América tombar na 2ª Grande Guerra.

Isto não impediu várias tentativas de recriar o soro, o quê levou diretamente à criação do Homem-Aranha, Duende Verde, Gigante e Hulk, mas eis que o herói original, num lance irônico do destino retornou em um bloco de gelo.

Deslocado e tendo apenas as forças militares como atuantes no processo de readaptação, Steve Rogers (o Capitão América) torna-se um reflexo puro e simples do Governo George W. Bush, que direito a defender sua visão política do mundo.

As seis primeiras edições do volume 1 da série narram como o industrial bilionário, inteligente e hiperativo Tony Stark decidiu unir forças com a organização militar SHIELD para criar uma equipe de super-humanos que deverão em breve enfrentar uma grande ameça... mas antes, a pressão, a inveja e a forma de como as coisas se dão faz com que a equipe enfrente um de seus membros, o Hulk.

Apesar de uma trama, em um primeiro momento bem simples – é uma falsa impressão, acredite! - isso não impede surpresas excepcionais como a maneira em que é retratado Thor, um homem que após um surto psicótico acredita ser filho de deus, aqui o deus nórdico Odin, pai de todo o seu panteão.

Thor “renasce” com um visão política que confronta os valores propostos por Rogers, mas aceitar entrar na equipe, apesar de divergir do Coronel Nick Fury – o homem por trás da SHIELD e fomentador da ideia. Nenhuma explicação seria clara o suficiente para elucidar o porque Thor entra nesta versão dos Vingadores, mas há uma subtrama da proximidade dos 33 anos do deus-vivo e uma possível morte. Sabendo de sua morte para breve, não deveria ele fazer com que sua mensagem alcance o maior número de pessoas?

Sim The Ultimantes volume 1 #1-6 é uma trama sobre o encontro de heróis, mostrando uma versão século XXI para o clássico confronto antes da união definitiva contra uma ameaça maior, elevado à enésima potência, com direito a mortes e choque de valores.

É Mark Millar em seu auge. É Hitch produzindo páginas lindas. São os quadrinhos criando narrativas inteligentes e bem construídas, trilhando um caminho que foi iniciado por Warren Ellis & Hitch – e depois pelo próprio Millar – na série da concorrente, The Authority.

E é um início inusitado para uma equipe que tem que salvar o mundo.
  












Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…