Pular para o conteúdo principal

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)

Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.


Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.

Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!

Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos com suas soluções imbecilizantes. Se Thor do próprio Thomas fazendo citações à mitologia wagneriana ou a versões mais cruas do próprio deus funcionava, isto não quer dizer que Vingadores funcionava, por que nas histórias de grupos não havia material suficiente para servir de referência.

Para histórias de grupo os autores só tinham referência mesmo em O senhor dos anéis, que por sinal começa com o grupo unido, mas o divide para que a narrativa ganhe força. Cada membro da Sociedade do Anel vai para um caminho...

Sem uma fonte de inspiração adequada as histórias de grupos de heróis, no máximo, tentavam transpor o visual de “estranhos unidos por um forte sentimento masculino” como no trio central de Jornada nas Estrelas. Se Spock (o estranho) funcionava, Visão funcionaria. E além do mais quer uma união mais pudica que Feiticeira Escarlate e Visão?

Então os quadrinhos e nortearam por algo que já não tinha muito força de criação, a TV.

Conversando com os colegas este fim de semana cheguei realmente a conclusão que comecei a gostar dos Vingadores depois de Jim Shooter, creio que a partir da saga de Korvac – ainda imbecilizante – e o curto período de John Byrne como desenhista da equipe. Depois houve um longo hiato, mas a fase de Stern é maravilhosa.

Ou melhor era... percebi que apenas um conjunto de trinta números é realmente legal, começando mais ou menos com a devastação da Terra Selvagem por Terminus e até o fim da passagem do escritor.


Mas divaguei... e não tenho editor. Ou melhor tenho: eu mesmo! E todos sabem o que aconteceu com Jack Kirby e Novos Deuses, onde ele era o próprio editor! (e por favor não digam que estou me comparando à Kirby, só dizendo que se ele tivesse editor as coisas seriam diferentes)

Voltando ao Esquadrão Supremo que é uma “versão” da Liga da Justiça e invariavelmente os encontros entre as equipes são tratados como encontros entre a equipe da Marvel e a equipe da DC. Os diálogos, as lutas, as duplas, tudo remete às equipes de editoras concorrentes.

Meu nível de interesse acaba na origem da equipe que é sui generis: primeiro foi apresentado ao público a versão “maligna” do Esquadrão Supremo, o Esquadrão Sinistro, que enfrentou os Vingadores em The Avengers #70-71 numa trama com Kang e Grande Mestre com texto de Roy Thomas e arte de Sal Buscema. A história já foi publicada no Brasil pela Panini.

A equipe retornaria para as edições #85-86 com a arte de John Buscema, mas nenhuma das tramas me chama a atenção, pois vão pouco além do plot básico de encontro de equipes, mas aqui já entendendo as possibilidades da equipe, Thomas os apresenta de uma forma positiva já com o nome de Esquadrão Supremo.

Porém não sai muito da trama de duas equipes trabalhando juntas para salvar um mundo – uma Terra alternativa. Ou seja basicamente uma visão Marvel para os encontros Liga/Sociedade da Justiça.

Depois houve A sagada Coroa da Serpente (#141-149), ao meu ver muito superestimada pelo fandom.

Pulando as eras vou para o encontro já na Era Busiek & Pérez, onde, após o equivalente à Crise nas Infinitas Terras para a cronologia do Esquadrão Supremo, a graphic novel Death of a universe, os heróis perdidos na Terra 616 são manipulados pelo vilão Corruptor que estava no controle do Projeto Pégasus. Naquele primeiro momento disseram com os Vingadores eram falsos, talvez alienígenas, depois perceberam que era apenas controle mental com um vilão jogando uma equipe contra a outra. Nas séries do Captain America e Vingadores havia uma história xenofóbica naquele momento, com o Capitão enfrentando um skrull e a Suprema Inteligência preparando o terreno para a Guerra do Destino.

As equipes resolveram este primeiro problema, mas, em seguida, O Campeão faz com que as duas equipes se unam para enfrentá-lo, numa trama que referencia novamente os famosos encontros de equipes dos anos 1970. Ou seja: no encontro de equipes ou é uma contra a outra ou as duas juntas a contragosto contra um inimigo comum.

Busiek, nerd que só, foi bem atrás para encontrar o Campeão, vilão de uma aventura de The Avengers #109 (março de 1973), onde era apresentado como um milionário que será campeão em todos os esportes menos arco e flecha e contratar o Gavião Arqueiro para ensiná-lo, quando o herói deixa de usar o uniforme criado após A guerra Kree-Skrull. Na época o Campeão queria destruir a falha de San Andreas, mesma falha explorada em Superman, o filme.

Os enfrentamentos modernos foram publicados em The Avengers #05-06 e The Avengers/Squadron Supreme Annual '98 e saltados pela Editora Abril. A Panini os publicou como parte da Wizard em 2.005.

Aparições do Esquadrão Sinistro:
The Avengers #69-70
The Defenders #13-14
The Defenders Giant Size #04
The Avengers Annual #08

Aparições do Esquadrão Supremo:
The Avengers #85-86
The Avengers #141-144; 147-149
The Mighty Thor #280 (Crisis on Twin Earths)
The Defenders #112-115
Squadron Supreme #01-12
Captain America #314 (cronologicamente localizada em as edições #06-07 da série)
Squadron Supreme - Death of A Universe
Marvel Comics Presents #29
Quasar #13-17
The Avengers v3 #5-06
The Avengers & Squadron Supreme - Annual - 1998
Squadron Supreme - New World Order
Exiles #77-78




Gavião Arqueiro treinado O Campeão












Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…