Pular para o conteúdo principal

Crisis on Twin Earths (1978)

Roy Thomas sempre foi fã de quadrinhos e já colecionava-os durante a Era de Ouro quando era criança.

Há inclusive registros de correspondência dele que seria publicada em All-Star Comics se a série não tivesse sido cancelada e mudado o tom para história de faroeste.

Crescido, Thomas trabalhou para a Marvel Comics nas décadas de 1.960 e 1.970, chegando a ser editor chefe da editora e responsável durante anos por Os Vingadores e por Conan, o bárbaro, título que fez pressão para que a Marvel Comics publicasse.

Como fã de quadrinhos Thomas cria esta história de Thor, onde era escritor e editor, para homenagear a estrutura das múltiplas Terras e dimensões da divina concorrente.

Antes de começar é bom entender que na época havia apenas dois Hyperion na Marvel. Um é o vilão do Esquadrão Sinistro e surgiu na dimensão padrão da Marvel, conhecida como Terra-616. Outro é o herói do Esquadrão Supremo e vive na Other Earth ou Contra Terra, como eventualmente é referida por aqui.

Na história o bom Hyperion vem convidar Thor e os Vingadores para participarem de um filme, mas o Hyperion vilão consegue usar os mecanismos da nave do herói e se transportar para a Contra Terra, onde após derrotar o seu homônimo temporariamente, tenta escapar utilizando sua identidade mortal.

Há alguma confusão quando a pretendente a namorada da identidade civil de Hyperion e o arqui-inimigo aparecem na produção e o Hyperion do mal não sabe como agir.

No final tudo termina em luta com vitória do bom Hyperion e de Thor.

Chama a atenção que para desenhar a aventura Thomas tenha contratado Wayne Boring, desenhista antigo que, na Era de Ouro, trabalhou com Superman e foi diversas vezes emulado por Jerry Ordway no início de sua fase como desenhista em The Adventures of Superman em 1.987.

Seria este mesmo Boring com finais do mesmo Ordway os responsáveis pela arte de Secret Origins # 01 (1986) que reconta a origem do Superman da Terra-2 para o público que acabou que ver o fim do Multiverso em Crise nas Infinitas Terras.

Apesar de bela edição de Secret Origins, os leitores da época se perguntavam qual a função de mostrar histórias de uma dimensão que naquele momento não existia mais.

Veja aqui uma listagem atualizada das Crises nas várias editoras em quadrinhos.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…