Pular para o conteúdo principal

Game of Thrones [2x06] - The old gods and the new

Exibido em estreia mundial no domingo 06 de maio de 2012, este é o sexto episódio da segunda temporada da série de TV Game of Thrones exibida pelo canal por assinatura HBO. A temporada, assim como a anterior, terá 10 episódios.

Winterfell, o castelo ancestral da família Stark e sede do poder no norte, é invadido por Theon Greyjoy e seus homens, vindos de Pyke. Theon exige que Bran Stark entregue-lhe o castelo. Quando Sor Rodrik retorna à Winterfell, Greyjoy o decapita, mas entregue aos prazeres da carne à noite, cria a situação que permite que Bran, Rickon, Osha, Hodor e os lobos Verão e Cão Felpudo desapareçam na noite.

Além da Muralha o grupo de patrulheiros liderado por Qorin Meia-Mão encontra alguns selvagens. Há perseguição, morte e informações sobre o povo livre e Macen Rayden, mas Jon Snow hesita em matar Ygritte, ganhando a afeição da moça.

Arya Stark pede a sua segunda morte à Jaqen, Amory Lorch, de modo a esconder um documento que roubou. E Peter Baelish, que não chega a reconhecer a menina afinal a viu brevemente em Porto Real, oferece à Tywin Lannister o apoio da Casa Tyrell em troca de uma aliança. Quais serão os termos desta aliança?

Em Porto Real, a Princesa Myrcella parte para Dorne para ser protegida da Casa Martell. Quando retornam para o Castelo, o séquito que tem em seus componentes o Rei Joffrey, a Rainha Regente, Tyrion, Sansa Stark, o Cão e o Alto Septão é atacado pela turba faminta. Apesar do estraçalhamento de alguns soldados e do Septão, todos retornam ao castelo ainda que o Cão tenha que ir buscar Sansa e socorrê-la de um estupro seguido de esquartejamento. Fica evidente que o relacionamento entre Joffrey e Tyrion deteriora e talvez Cersei queira aproveitar-se disto em breve.

Em Qarth, numa trama política que até mesmo no livro achei longa, Daenerys não consegue o financiamento para seu plano de conquista à Westeros, mas para inserir uma ação tem seus dragões roubados por um dos imortais da cidade.

Nos campos de batalha Robb Stark, ainda vitorioso, encontra novamente a Senhora Talisa e parece se enamorar pela moça, apesar de estar prometido à outrem. Quem leu os livros pode achar estranho estas passagens, mas lá – nos livros – apenas acontecimentos que estejam ocorrendo com personagens ponto de vista são relatados ao leitor, e como Robb e Talisa não o são, e não há personagens com esta condição no campo de batalha próximo a eles, estas histórias não são narradas nos livros.

Cately Stark reencontra com o filho e conta sobre o ocorrido com Renly Baratheon. Logo descobrem a invasão à Winterfell e Robb se prepara para retomar o castelo da família.

































































Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…