Pular para o conteúdo principal

Sarcofágo: Sword of the Atom (1983)


Toda vez que penso que as hq's norte-americanas vão crescer e ter acontecimentos semelhantes à nossas vidas alguém me puxa o tapete. Aqui uma traição gera uma viagem para os reinos fantásticos no interior da selva amazônica.

Naturalmente ouço meu próprio inconsciente dizer que se quisesse a vida real não iria procurar quadrinhos de heróis norte-americanos, mas não vejo nada demais em os personagens terem um pouco mais de coerência e menos o “choque do novo”.

Sword of the Atom é um plano de Jan Strnad (texto) & Gil Kane (arte e co-edição) em reposicionar o personagem Atom (Elektron, no Brasil) no multiverso DC.

Minissérie em quatro partes, lançada em 1.983, quando a editora americana estava realmente tentando repaginar seus personagens antes de uma reformulação que viria a acontecer em 1.987, mas em função de acontecimentos de 1.985-86 – a Crise nas Infinitas Terras – a série é interessante sim, mas pode ser resumida de forma brutal e incômoda, o que poderia afastar possíveis interessados.

Ray Palmer (o Atom) tem problemas com a esposa Jean Loring, advogada de sucesso, e ele um cientista envolvido com pesquisas que chega a usar o capital da esposa para compra de equipamentos científicos, retirando da família certos confortos. Ou seja um problema moderno: homem à sombra da esposa.

Notando o distanciamento e tendo encontrado-a nos braços de um concorrente (outro problema moderno), Palmer resolve fazer uma viagem de pesquisa no interior da Amazônia brasileira (dar um tempo elevado à enésima potência), mas o destino faz com que o avião caia e ele, que durante a viagem havia acionado o mecanismo encolhedor para enfrentar traficantes de cocaína, fica preso ao tamanho de seis polegadas, após uma tempestade queimar o mecanismo.

Então temos um misto de Gulliver e Conan, o bárbaro – daí o Sword do título, sinal do apego da série à sword & sorcery em contraponto ao padrão de superciência das séries do Atom. Um apego à s&s apenas visual, diga-se de passagem, mas a existência de Gil Kane na arte favorece o apego. Kane foi um dos artistas da série Conan, the barbarian da Marvel Comics.

Encontrando um povo mínusculo, Atom cruza com a Princesa Laethwen, o monarca Caellich (pai da moça), Taren (o amor da princesa, mas de uma casta diferente) e a cidade de Morlaidh, criada com tecnologia alienígena, mas cujo povo sem contato com o planeta de origem a cada geração fica mais bárbaro.

O roteiro geral no reino “místico” é simples: o conselheiro real – Deraegis – aconselha mal o rei tencionando torná-lo impopular, responsável diante aos olhos do povo por atrocidades cometidas por seus comandados. O conselheiro chega a libertar Atom e Taren das arenas, onde o herói consegue a vestimenta alterada, para dar vazão ao levante popular. O objetivo do conselheiro é acionar novamente o ancestral equipamento e conseguir o poder para si após a queda de Caellich.

A história é básica e não há uma gota de surpresa no desenrolar, mas como quase todos os quadrinhos do passado é contada de forma ágil e simples, com longas páginas de flashbacks a cada edição para explicar tudo que aconteceu nas edições seguintes. Assim, mesmo se um leitor compra a última edição ele não terá dúvidas sobre o quê aconteceu na série.

A edição termina com Atom retornando ao tamanho padrão e no processo perdendo o caminho para Morlaidh, deixando para trás a princesa Laethwen a quem já estava apaixonado (após a morte de Taren) e era correspondido. Na verdade, na última página Palmer está pronto para confrontar Jean Loring que veio resgatá-lo em Manaus. O quê acontecerá ao casamento do cientista?

Teve sequências em três Sword of the Atom Special.




Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…