Pular para o conteúdo principal

Sarcófago: Hellraiser, a revista

Hellraiser foi uma série bimestral da Editora Abril Jovem, lançada em abril de 1991.

Teve apenas quatro números publicados, sendo cancelada, assim como outras revistas em formato americano que a  Abril editava naquela época, no fim de 1991, início de 1992. Tinha formato americano, sessenta e quatro páginas e em cores.

Hellraiser, que não tem nenhuma relação com Hellblazer (apesar de ter uma aventura desenhada por John Ridgway) é a tradução da revista homônima do selo Epic da Marvel, e era uma antologia de histórias de horror utilizando os conceitos criados por Clive Barker em seu romance Hellraiser e popularizados através dos filme.

Teve 20 números entre 1.989-1.991 (veja as capas no Comics.org aqui).
Excelente material para se ler... mas evite fazer à meia-noite...

# 1 (abril/1991) – Os cânones da dor by Erik Saltzgaber (A) & John Bolton (arte pintada); A mão do morto by Sholly Fisch (A) & Dan Spiegle (arte); Vermelho quente by Jan Strnad (A) & Bernie Wrightson (arte); A dança do feto by Ted McKeever (A e arte).  

Pin-ups de Kent Williams e Mark Chiarello.  

Capa: John Bolton.

# 2 (junho/1991) – A prisão by Marc McLaurin (A) & Jorge Zaffino (arte); Várias mãos by James Robert Smith (A) & Mike Hoffman (arte); Lamento de escritor by Dwayne McDuffie (A) & Kevin O’Neil (arte); O limiar by Scott Hampton (A e arte) & Mark Kneece (A); Os prazeres do logro by Philip Nutman (A) & Bill Koeb (arte).

Pin-ups de Jon J. Muth, Bill Sienkiewicz e Mike Mignola. Capa: Simon Bisley.

# 3 (agosto/1991) – O precipício de cristal by Jan Strnad (A) & Steve Buccellato (D) & Stan Drake (F); O sangue do poeta by RJM L’Officier (A) & John Ridgway (arte); Músicas de metal e carne by Peter Atkins (A) & Dave Dorman e Lurene Haines (arte).  

Pin-ups de Ted McKeever, AC Farley, Lou Harrison, Bill Sienkiewicz e Scott Hampton. Capa: Kevin O’Neil.

# 4 (outubro/1991) – Cenobita! by Nicholas Vince (A) & John Van Fleet (arte); Como moscas para meninos travessos by Bunny Hampton-Mack (A) & Scott Hampton (arte pintada); Preparar uma face by Jan Strnad (A) & Mark Chiarello (arte pintada).  

Pin-ups by Kent Williams, Bill Sienkiewicz, Glenn Pepple, Ovi Hondru, Louis Harrison. Capa: Scott Hampton.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…