Pular para o conteúdo principal

O Visão

Quando surgiu Visão era um sintozoide, um ser humano criado em laboratório com órgãos sintéticos. 

Como o neologismo nunca foi muito aceito, Visão sempre ficava na vaga condição de androide com sentimentos.

Na história de The Avengers # 58 (Heróis da TV # 34), sua segunda aparição, ele chega até à chorar! 

Porém anos depois o Homem-Formiga faria uma viagem pelo seu interior (em Avengers # 93/Heróis da TV # 44), tencionando reativá-lo após um confronto com os skrulls.

Nesta aventura, desenhada por Neal Adams, fica claro que nosso sintozóide nada mais é do que um andróide com detalhes especiais.
Com o passar dos meses e a mudança das “mentes criativas” da Marvel, Visão apaixonaria-se por Vanda, a Feiticeira Escarlate e seria correspondido.
Em 1974 descobriríamos que Visão é na verdade o Tocha Humana original (!) reformado e o casal de pombinhos casa-se em uma das cerimônias mais estranhas do quadrinhos – e olha que existem cerimônias estranhas – na seqüência de aventuras mostrada em Avengers # 130 a 135 e Avengers Giant Size # 2 a 4) .

Tudo ficaria bem resolvido, já que o esquecimento desde “detalhes” deixaria de incomodar os leitores, mas Vanda usa seus poderes mutantes e fica grávida na década de 1980!

Como dizia a minha mãe... “papel aceita tudo”.
Depois as crianças deixariam de existir, já que eram partes da alma de Mefisto e só existiam enquanto Vanda estava lhe dando atenção (ou algo assim).

Nesta época Visão foi desmontado e seus bancos de dados foram apagados por agências secretas de vários governos (em represália à uma tentativa de domínio global poucos meses depois de Guerras Secretas I em Avengers # 252 a 254) e ele volta a ser um androide insensível, ganhando inclusive um novo visual; obra de John Byrne, quando assumiu o título The West Coast Avengers.

Mas o samba do crioulo doido com Visão ainda não tinha terminado.

O seu criador (digo o criador do Tocha Humana) é chamado para remontá-lo (Deus, esse homem deve ser descendente de Matusalém já que na Segunda Grande Guerra ele já estava com uns 40 para 50 anos).

Horton porém diz que o Visão não era o seu projeto de Tocha Humana! Ou seja Visão não era o Tocha! Obra de Byrne, novamente!

Na verdade o Visão teria sido construído com as peças sobressalentes do Tocha, o quê não explica muito bem por quê com peças sobressalentes o projeto dos dois androides teria ficado tão diferentes, mesmo que o Visão tenha sido manipulado pelo Ultron.
Em 1999 Kurt Busiek na série Vingadores Eternamente, remendou a trama, mas acreditem mesmo com o talento de Busiek o remendo ficou do mesmo tamanho do soneto. Graças à interferência de seres capazes de viagem temporal em um determinado momento houve uma bifurcação do sintozoide: ou seja passou a existir dois quando havia apenas um.
Ainda assim Visão teria modificações a sofrer.
Logo após a trama da série West Coast Avengers, o sintozoide separara-se de Vanda, que começa a arrastar a asa para o Magnum, o sujeito que cedeu seus padrões cerebrais para criar a identidade do Visã, então seria normal que o herói se apaixonasse pela mesma pessoa que o sintozoide.
Próximo ao aniversário de 35 anos de Vingadores, o Visão foi trocado por uma contra-parte de outra dimensão, e durante a batalha acabou destruindo seu corpo original, ficando com o corpo interdimensional, caí um visual levemente diferente do branco criado por Byrne. O artista da época era o Steve Epting.
Não bastando isso, anos depois, após o evento Heróis Renascem, voltaria a ter sentimentos, mas aí já estava nas mãos competentes de Kurt Busiek, que soube conduzir a trama de seu ciúmes pelo relacionamento entre Vanda e Magnum.
Não houve grandes modificações até o evento Vingadores: A queda quando ele foi destruído e posteriormente reconstruído, baseado em backups de banco de dados (que lembre-se: tinham sido destruídos na época do imbróglio com os governos).


Colaborou com o Jovens Vingadores e auxiliou o viajante do tempo CapitãoAmérica, armazenando informações em seu banco de dados que seria utilizadas no “renascimento” do soldado.

Certamente com o final da Era Bendis nos Vingadores deve retornar a ter papel mais importante na série.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…