Pular para o conteúdo principal

Game of Thrones [2x01] – The North Remembers

Estreia mundial da série no dia 01/04/2012.

No episódio Tyrion Lanninster (o Duende) retorna à Porto Real para ser a Mão do Rei de Joffrey Baratheon, apenas interinamente, enquanto seu pai guerreia com os nortenhos. Cersei Lanninster, irmã de Tyrion, viúva do Rei Robert Baratheon, mãe de Joffrey e rainha regente não aprova a ideia, pois não acredita na habilidade de seu irmão, além de ter planos próprios que a presença dele pode atrapalhar.

Diante do boato lançado por Stannis Baratheon (irmão de Robert e cunhado de Cersei) de que os filhos de Cersei são frutos de um relacionamento incestuoso entre ela e seu irmão gêmeo Jaime Lanninster, a rainha regente decide mandar matar todos os bastardos de Robert, de modo a esconder que todos os filhos naturais dele tem cabelos negros.

Com a comprovação deste suposto boato (que é verdadeiro) Stannis seria o verdadeiro herdeiro de Robert, por ser o irmão mais velho.

Robb Stark faz exigências à Cersei sem a intenção de ser atendido, mas está confiante em trocar o cativo Jaime por suas duas irmãs, Sansa e Arya.

Sansa sofre ao conhecer o verdadeiro eu de Joffrey, que já matou seu pai. A menina salva um cavaleiro obeso chamado Dontos de um destino cruel. A partir de agora ele será apenas um bobo na corte.

Tyrion crê que a irmã tem pouca habilidade em conter o instinto homicida de seu sobrinho, especialmente depois do ocorrido com Eddard Stark, mas em sua chegada a Porto Real está mais preocupado com esconder a amante – uma seguidora de acampamentos que se envolveu na temporada anterior e que prometeu ao pai que não levaria para a capital.

Em Winterfell Bran tem que tratar de assuntos políticos e nos campos de batalha, Robb Stark toma duas difíceis decisões: autoriza que Theon Greyjoy retorne às Ilhas de Ferro para conseguir apoio à sua causa e envia a mãe para negociar com Renly Baratheon tencionando uma aliança contra os Lannisters.

Arya Stark e Gendry (um bastardo de Robert) iniciam a longa viagem para a Muralha e Stannis Baratheon queima estátua dos 7 jurando fidelidade ao deus da luz apresentado-lhe para sacerdotisa Melisandre, para desgosto de seu meistre (que se suicida em uma tentativa de matá-la) e de seu homem de confiança, Davos Seaworth.

No extremo norte, além da Muralha, a Patrulha da Noite chega no acampamento de Crasten tencionando encontrar a localização de Macen Rayder, ex-patrulheiro agora um auto-intitulado rei-para-lá-da-Muralha. Jon Snow é repreendido pelo Lorde Comandante Mormonto velho Urso – pela falta de habilidade em esconder suas verdadeiras emoções em relação ao dono do local onde fazem acampamento.

Daenerys, o jovem Mormont e sua tribo passam fome no deserto, numa travessia que pode levar o seu khalasar para o extermínio.

Está iniciada oficialmente a Guerra dos Cinco Reis, ainda que neste momento só estejam quatro em disputa: Jofrey Baratheon, Stannis Baratheon, Renly Baratheon e Robb Stark.

[Crítica]
Tomadas rápidas, muita coisa para contar e pouco tempo já tinham sido a marca da primeira temporada, mas agora o assunto é levado a um estado de arte necessário para transpor as mais de 600 páginas para uma temporada de dez episódios.

Quem conhece a série de livros sabe que isto é apenas um ensaio para o Livro 3: A tormenta de espadas com mais de 850 páginas.

Se por um lado é revelador o domínio da narrativa, torna-se sinceramente uma série que afasta os não iniciados. Uma temporada é resultado da anterior e a única motivação é saber o destino dos personagens a que se afeiçoou. Se não se importa com nenhum dificilmente alguém irá acompanhar a série.

Assim a série de TV é vítima do gigantismo que George R R Martin intencionalmente planejou. Mas veremos no que vai dar. Por enquanto está acima da média e continua delicioso... mas para quem se importa com o destino dos personagens dos livros. Para os restantes é apenas violência, cenas escuras e atores demais para decorar o nome dos personagens.
 







 









Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…