Pular para o conteúdo principal

Os mortos-vivos vol 3: Segurança atrás das grades

Dezoito meses depois de haver publicado o segundo volume da série Os mortos-vivos que traduz a série em quadrinhos americana The Walking Dead da Image Comics, a HqManiacs Editora publicou o terceiro volume que coleciona os números #13-18.

A trama mostra a descoberta de uma prisão onde será possível alimentar durante meses o grupo de sobreviventes liderado por Rick Grimmes. Apesar de encontrar quatro criminosos no local, Rick não se preocupa de imediato – ainda que não confie neles – e chega a ir busca Hershell, Glenn, Maggie, Billy, Rachel e Susie.

Ao perceber que dois suicidas não mordidos por zumbis retornam, Rick decide conferir o fato, abandonando o grupo e retornando para desenterrar Shane, que também ressuscitou apesar de não mordido.

Na sua ausência alguém mata as filhas mais novas de Hershell, Rachel e Susie e Lori culpa Dexter, um dos presidiários.

A tensão continua presente no grupo e não há esperanças de uma recuperação dos valores da humanidade.

[Crítica]
A história funciona muito bem e fica evidente que Kirkman não deseja narra uma história de terror. Se ainda restava alguma dúvida ela cai por terra completamente aqui. Há os zumbis, há a praga e há os problemas advindos por este apocalipse zumbi, mas a história não é uma narrativa da praga e sim da sobrevivida do grupo de sobreviventes. Se você não se interessa pela miséria humana vá procura outra série.

Charlie Adlard é bastante competente e tem um traço expressivo, conseguindo mostrar a reação das pessoas aos fatos. Em alguns momentos seu traço arte-finalizado com pincéis finos lembra Walt Simonson, principalmente quando usa onomatopeias de tiros. O conjunto de Adlard & Rathburn transforma a série em um desfile nada sutil da natureza real do ser humano.

Texto de Robert Kirkman, arte de Charlie Adlard e tons de cinza de Cliff Rathburn.


[Volumes de Os mortos-vivos]

Vol.
Lançamento
Edições #
Título
01
05/2006
#1-6
02
11/2006
#7-12
03
04/2008
#13-18
Segurança atrás das grades
04
10/2009
#19-24
Desejos carnais
05
07/2011
#25-30
A melhor defesa
06
10/2011
#31-36
Vida de agonia
07
12/2011
#37-42
Momentos de calmaria
08
03/2012
#43-48
Nascido para sofrer

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…