Pular para o conteúdo principal

Lucros e recordes de Star Wars

Segundo a revista semanal VEJA citando como fonte Statistic Brain a marca Star Wars tem os seguintes faturamentos (em bilhões de dólares):


Bilheteria....: 04,3
Videogames: 02,9
DVDs.........: 03,7
Livros.........: 01,8
Brinquedos.: 12,0
Outros.........: 01,3
Total............: 26,0


Não fica claro o quê seria “outros”, talvez o famoso licenciamento para uso de imagens em redes de fast food. O valor de livros (1,8 bi) me deixou impressionado pois é 1/3 das bilheterias de cinema, significando que a marca é fortíssima neste setor. Porém, como não está explicitado “quadrinhos” (em inglês, comic book) é possível que os contratos de licenciamento para a Marvel Comics (anos 1970/80) e Dark Horse Comics (a partir dos anos 1990) estejam inclusos em livros (ou em outros).

* * *

A marca ganha novo fôlego ao lançar Star Wars: The Old Republic um massively multiplayer on-line game (MMOG) que conquistou 1 milhão de jogadores na primeira semana. Os jogadores compram o jogo a US$ 60,00 e após um mês passam a pagar para usar o ambiente virtual de jogo cujos valores são: mês (US$ 15,00), trimestre (US$ 42,00) e semestre (US$ 78,00).

Para se ter uma ideia de arrecadação, o jogo World of Warcraft – famosíssimo MMOG – tem 10 milhões de jogadores ativos desde seu lançamento em 2.004 e arrecada anualmente US$ 500 milhões!

O jogo se passa cronologicamente numa época próxima ao da série em quadrinhos Star Wars: Knights of the Old Republic, atualmente publicada no Brasil em Star Wars da On Line Editora.

* * *

O ano de 2.012 marca o retorno da hexalogia aos cinemas, agora em versão 3D. George Lucas informou que irá lançar anualmente cada um dos filmes no novo formato. Se o cronograma for seguido à risca, no verão (norte americano) de 2.017 teremos o lançamento do último filme e acredita-se que até lá o criador da saga já terá viabilizado economicamente uma série de TV com atores, que se passaria durante os vinte anos entre Episódio III e IV. Apesar de boatos de que a série teria 100 episódios e vários roteiros prontos, Lucas informou que a produção ainda não é economicamente viável devido ao custo de efeitos especiais.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…