Pular para o conteúdo principal

Eleições municipais


(ou como diria meu querido amigo e professor Mizim Passando um pito nos 'cidadãos de bem')

É engraçado o perfil do ano eleitoral em cidades pequenas, especialmente aqui nos limites geográficos do estado de MG. Alguns cidadãos de bem passam a falar que o atual gerente municipal é ruim e passam a indicar uma “solução”.

Surge um “salvador da pátria”.

Curiosamente são os mesmos cidadãos que apoiaram o atual gerente e, quando este se elegeu, renegou as raízes. Se não é possível manter a pessoa honesta depois de eleita pelo menos não a defendam antes da eleição com um ardor que chega a ser religioso para depois dizer “fiz minha parte, não sabia que ele [o eleito] era assim” e assim ficar livre da culpa e dormir tranquilamente. São igualmente culpados pela incompetência todos aqueles que indicaram e apoiaram um incompetente. É a mesma lógica do aval bancário, onde você torna-se igualmente responsável pelo débito.

Aqui uso uma nova aplicação para “eu sei o que vocês fizeram no verão passado”, informando que continuo a lembrar quem apoiou o eleito e o quê aconteceu depois.

Todos podem errar – especialmente “cidadãos de bem”, que são a “nata intelectual” de uma cidade – mas vê-se que sistematicamente o erro vem acontecendo ao longo de várias décadas em Nanuque. O teatro é: unem-se, elegem, são renegados e passam a falar mal.

Se Tolstói escreveu que as famílias felizes são todas iguais, já as infelizes cada uma é infeliz à sua maneira aqui notamos que cada mandatário tem uma coleção de acertos (sim, eles os tem) e erros! E população de Nanuque tem vários motivos para sua infelicidade. Eleitos, uns congelam salários do funcionalismo e fazem contratações em secretárias a valores bem interessantes para garantir apoio. Já outros simplesmente enchem a prefeitura com seus eleitores. Todos!

Há aqueles que não fazem nem isto, nem aquilo. Simplesmente nada fazem. Surge então a variação que nada faz mas em alguns momentos superfaturam obras e mantem gordos contratos com a imprensa local de modo a garantir o silêncio dos carneiros.

Assim peço aos “cidadãos de bem” que poderiam ao menos fazer algo que toda a sociedade civilizada faz: procurar um especialista para nos indicar!

Se ao desejar me manifestar na justiça eu tenho que procurar um advogado; se ao desejar corrigir os dentes, procuro um dentista, então se desejo um prefeito qualificado deveria procurar quem se especializou nisto, ou seja, um administrador público.

Claro que os mesmos “cidadãos de bem” irão dizer que ser “administrador público” não quer dizer que é um político, ou seja, aquele que faz as ligações necessárias à política, que tem as influências, as amizades, os conhecimentos. Mas se um advogado, um dentista ou um comerciante são capazes de criar estes vínculos, possivelmente o administrador profissional, aquele que foi treinado para administrar a coisa pública também será capaz de estabelecê-las.

Já que está tão em voga em nossa atual sociedade experimentem a meritocracia e menos a simpatia, os interesses ou mesmo “o voto de protesto” ou a “dó por causa de uma biografia sofrida de homem do povo”.

Enquanto isso Nanuque continua estagnada. Ou pior! Se não está estagnada está decrescendo.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…