Pular para o conteúdo principal

Lançamentos: Star Wars #31


ou Como é doce a ilusão da estabilidade
 
A cada mês que a série da On Line Editora chega às bancas eu comemoro o recorde batido. Nenhuma publicação de Star Wars durou tanto no Brasil quanto a atual série.

A cada mês que a série da On Line Editora chega às bancas eu me entristeço pois imagino o quê a editora poderia estar traduzindo e não faz – talvez por força de contratos.

A exposição em função de uma marca forte como Star Wars é grande. Em 2.011, um ano não muito ativo a série teve o lançamento da quarta temporada da série de animação Star Wars: The Clone Wars, dirigida ao público infanto-juvenil e exibida no Cartoon Network, além da TV aberta, teve o lançamento da hexalogia cinematográfica na mídia blue-ray e a partir de 2.012 haverá o relançamento nos cinemas em formato 3D. Nos Estados Unidos, sempre lá, houve o relançamento de Herdeiros do Império de Timothy Zhan, em comemoração aos 20 anos de publicação da séries de livros. E para terminar, por enquanto a série live-action que se passará nos vinte anos entre Episódio 3 e 4 está estagnada, pois ainda não há tecnologia para viabilizar o projeto em termos financeiros.

Some a isto uma série de lançamentos em games, que não acompanho, e você terá uma marca que está impregnada no inconsciente coletivo desde 1.977.

Mas o produto que chega todo o mês às bancas no Brasil tem pouca relação com isto.

A série nacional três quatro aventuras das séries mais recentes publicadas pela Dark Horse/Lucas Books. Infelizmente mesmo sendo as mais recentes, isto não quer dizer que automaticamente são as melhores.

Vamos lá. Knights of the Old Republic se passa cerca de 3.963 anos antes da Batalha de Yavin e mostra as desventuras de um ex-estudande jedi chamado Zayne Carrick. Depois de mais de três anos de fuga o garoto que vinha sendo perseguido por um crime que não cometeu, consegue a inocência e a série passa a um novo status. O roteiro é de John Jackson Miller que tem a liberdade de criar todo um universo milhares de anos antes da história principal.

Legacy (já encerrada nos EUA) traz a dupla John Ostrander e Jan Duursema, unida inicialmente na DC Comics em Arion, o Mago da Atlântida, no início dos anos 1980 para dar continuidade à história dos Skywalker cerca de 137 anos após a Batalha de Yavin. A série mostra as aventuras de Cade Skywalker e a tripulação de piratas espaciais da nave Mynock contra uma série de inimigos que afetam a paz num estado militar. A arte de Duursema, esposa do artista Tom Mandrake, melhorou muito e as dupla de autores também tem o conforto de se desligar da trama clássica, porém assim como Jackson Miller, corre o risco de produzir algo que ninguém se importe.

A edição nacional é completada pela publicação de minisséries mais recentes. Nesta edição temos o último número de Purge de Haden Blackman & Chris Scalf. Blackman é velho conhecido dos leitores brasileiros de Star Wars pois produziu muito material que foi lançado pela Ediouro em sua curta série Star Wars. A história é, de longe, a melhor da edição e mostra um descontrolado Darth Vader em busca de alguns jedis que sobreviveram à Ordem 66.

Diminuindo a quantidade de material recente a On Line Editora deveria negociar materiais como Império do Mal II, a quadrinização da Trilogia de Thrawn ou mesmo as séries mensais um pouco mais antigas como Star Wars: Republic, Star Wars: Empire ou versões distintas das adaptações de The Clone Wars. Com o interesse que virá do relançamento dos filmes em 3D, poderá haver uma sobrevida para a série no Brasil até o conclusão deste projeto.

Mas... e depois?

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…