Pular para o conteúdo principal

Scream Awards 2011


É interessante ver um prêmio criado pela indústria para atrair fãs. Existem umas cinco dúzias de prêmios assim e todo ano um canal ou associação cria um novo. É divertido, mas é uma diversão agridoce por que nota-se um conjunto de pessoas vestidas e agindo de forma estereotipada e movendo-se como uma turba, saudando ícones e sendo capazes de repetir aquilo que todos fazem sem refletir.

Talvez seja por isto que ninguém leva a sério os fãs e criam nomes como nerds, trekkers, trekkies, rookies, cdf's ou geeks, que tentam diminuir o preconceito em relação a eles, mas que só servem para ressaltar que o sujeito não age como uma pessoa normal e vive num mundo afastado da realidade.

Se você não se ofende em ser fã e nerd (como eu), não se importa de tirar uma revista da valise durante a aula de Economia (como aluno) ou após a aula de Banco de Dados II (como professor), ou exibir os volumes de As crônicas de gelo & fogo irá se divertir com o show Scream Awards 2011 da Spike TV.

Cheio de momentos bons, nem sempre duradouros o show serve como uma vitrine para as empresas de entretenimento, com alguns prêmios esquisitos como o troféu de “Hero” no início do espetáculo que mostrou um clipe com os filmes recentes de Robert Downey Jr. em especial as cine-séries Sherlock Holmes e Homem de Ferro, com imagens de outras produções como Um parto de viagem.

Sendo o “herói” do ano com direito a trilha sonora de Ruas de Fogo (Streets of fire) Downey aproveitou e fez a world premiere do trailer de Sherlock Holmes 2.

Além disso tivemos world premieres de Ghost Rider 2 (com Nicolas Cage ganhando como o “maverick” do ano), Paranormal Activity 3 e Pirana 3DD.

Eventualmente um convidado lembrava que em fevereiro, após o inverno, o comércio de cinema retorna com toda a força. George Lucas lembrou-nos de que em fevereiro Star Wars será relançada em 3D e parte do elenco de Dark Knights Rises! (Most antecipad movie) agradece aos fãs pela expectativa.

A importância dos quadrinhos é bastante diminuída nesta versão, com direito a apenas uma categoria (Best Comic Book Write: Ed Brubaker), mas os fãs de plantão se divertem com os prêmios para Game of Thrones (Best Supporting Actor Peter Dinklage e Best TV Show) e Sci-fi Actor (Matt Smith pela série de TV Dr Who, ao qual votarei a falar).

Um programa perfeito para nerds que tem 90 minutos disponíveis.
  






























Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…