Pular para o conteúdo principal

The New 52: Superman


Devo dizer que foi uma grata surpresa a primeira edição de Superman por George Pérez (texto e lay-outs) e Jesus Merino (lápis sobre lay-outs e finais). A edição não é ruim e resgata alguns conceitos que já tinham sido utilizados como a reformulação no Planeta Diário e a energia limitada, porém crescente, do Superman.

Comparativamente a edição lembra um especial chamado Superman: Save the Planet de Louise Simonson em que o herói impede que uma chuva de meteoros cause grande destruição enquanto Lex Luthor demite os funcionários do Planeta anos atrás, mas desta vez não há demissão. A inauguração do novo prédio também lembra o início da fase de Jeph Loeb e Ed McGuinness no personagem uma década atrás.

Basicamente é uma história do herói na atual cronologia, com poucas diferenças: um novo Morgan Edge chefe de um conglomerado de comunicações que tem braços em portais de informações via internet e jornal impresso. Há o inimigo misterioso, tão comum nas edições #01 das séries The New 52 que tem alguma relação com Stormwatch #01. E por fim há a “grande diferença”: Lois é a diretora do braço de portais via internet e não está casada com Clark Kent, como adicional tem um namoro adulto com outro personagem.

Gostei da história e ainda que já tivesse me acostumado com o padrão de herói casado achei um bom começo.

Por sinal já é público que Pérez só ficará até a 6ª edição e a DC Comics está explicando que algumas equipes serão rotativas.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…